PLATAFORMAS DE ÓLEO E GÁS: UM DIRETÓRIO COMPLETO DE RISCOS EM SST

Domingo, 15 Fevereiro 2015 07:56
Avalie este item
(7 votos)

A explosão na casa de bombas do navio-plataforma afretado pela Petrobrás no início de Fev 2015, deixou cinco pessoas mortas (quatro brasileiros e um indiano) e 26 feridos, sete deles ainda internados em hospitais da Grande Vitória (ES).


As atividades em plataformas e navio-plataformas reúnem praticamente um diretório completo de riscos em SST, já
  abordados no NRFACIL em posts anteriores. Vale a pena ver de novo os principais riscos e as alternativas de gestão, bem como aspectos da legislação sobre o assunto.

 

O TRABALHO EM PLATAFORMAS

Segundo especialistas no estudo de plataformas, o trabalho em unidades de processo como as plataformas de petróleo pode ser compreendido por quatro aspectos que se interrelacionam e o caracterizam:


1




SITUAÇOES DE RISCO EM PLATAFORMAS

 

 


ACIDENTES EM PLATAFORMAS





ESTATÍSTICAS




PROBLEMA CRITICO: TERCEIRIZAÇÃO E FALTA DE CAPACITAÇÃO

Segundo a OIT a maioria das análises estatísticas revela uma incidência muito maior entre os trabalhadores terceirizados. Dentre as causas para isto podemos citar o fato de estes trabalhadores realizarem a maioria das atividades mais perigosas ao mesmo tempo em que possuem tanto menor capacitação e treinamento, como desfrutam menos direitos quando comparados com os trabalhadores diretos das empresas, tendo isto diversas implicações em termos de segurança . Um estudo realizado na Noruega pelo sindicato dos trabalhadores, por exemplo, revelou que os trabalhadores terceirizados realizavam tarefas de manutenção de poços de um modo em que eram violadas de forma regular e sistemática as leis e regulamentações sobre horas de trabalho, descansos, tempo de permissão para ficar em terra, registro e pagamento de horas extras, além de outros (OIT, 1993).


 


PERSPECTIVAS DE OPERAÇÕES EM PLATAFORMAS

O panorama atual é de ampliação intensa do volume de operações e de instalações e suas interligações, acelerando a complexidade e a interdependência dos desempenhos e dos incidentes nas diversas partes deste sistema produtivo.
Neste processo vem ocorrendo a utilização intensiva e simultânea de instalações antigas e novas. Todo o sistema vem sendo pressionado a cumprir performances de pico, operando nos limites de sua capacidade instalada e de vida útil. A degradação média das instalações físicas tem avançado em ritmo mais intenso do que a depreciação projetada de tais equipamentos e sistemas, pois não se tem priorizado a manutenção preventiva nem a reforma estrutural de instalações de alto risco.

Este quadro se agrava à medida que não são realizados alguns procedimentos cruciais para o rigor na prevenção de acidentes, tais como: vistorias e inspeções; certificação e calibração de equipamentos e instrumentos; medições de corrosão, de integridade de materiais e da geometria de peças; perícias após deformação, fratura, ou rompimento de peças; e mensurações químicas, físicas e ambientais não são realizados.


Diversos estudos mostram que o atual quadro das condições de trabalho e segurança nas plataformas revela uma situação bastante degradada, envolvendo não só o potencial de aumento na freqüência dos acidentes para os trabalhadores, sobretudo os terceirizados, mas também na gravidade, podendo um acidente resultar em múltiplos óbitos.


 

CONCLUSÕES DO RELATÓRIO DO ÓRGÃO DO MINISTÉRIO DO INTERIOR DOS ESTADOS UNIDOS
SOBRE O ACIDENTE DA BRITISH PETROLEUM:

 

Reproduzimos a seguir um Resumo de algumas conclusões do Relatório sobre o acidente do Golfo do Mexico, abordado pelo NRFACIL em vários posts. Provavelmente algumas das observações desse Relatório aplicam-se aos acidentes ocorridos no Brasil com as Plataformas da Petrobrás






SEGURANÇA E GESTÃO

A Gestão da SST em plataformas está normatizada na NR-30. Abra a pasta da NR-30 no site NRFACIL e abra a caixa do Remissivo, onde estão os principais itens. Ao clicar em um item, você obtém o texto desse item.





Destacamos 3 itens da Norma indicativas de procedimentos de Gestão dos Riscos: o primeiro item refere-se ao Grupo de Segurança e Saúde no Trabalho  Bordo de Embarcações. Observe o destaque dado à CIPA, suas atribuições e funcionamento:


 

 Outro item é o relacionado aos Trabalhos de Limpeza e Manutenção (em destaque uma parte do texto):

 

 

E finalmente, um item relacionado a Plataformas e Instalações de apoio (Anexo II):

 



 

 

SEGURANÇA E GESTÃO

 

A Gestão da SST em plataformas está normatizada na NR-30. Abra a pasta da NR-30 no site NRFACIL e abra a caixa do Remissivo, onde estão os principais itens. Ao clicar em um item, você obtém o texto desse item.

Lido 68915 vezes Última modificação em Segunda, 16 Março 2015 02:52

2 comentários

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.


Categorias: