UTILIZANDO UMA MATRIZ DE RISCO

Sexta, 17 Outubro 2014 20:43
Avalie este item
(10 votos)

Os profissionais do SESMT e os trabalhadores já estão acostumados com o Mapa de Risco, uma ferramenta destinada ao reconhecimento dos riscos nos ambientes de trabalho, sendo uma tarefa participativa e didática. Entretanto, não basta reconhecer um risco.  É preciso trabalhar com a sua probabilidade e gravidade. Porisso, surgiram recentemente as técnicas que utilizam uma ferramenta denominada de Matriz de Risco.
 TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO DE RISCO: UMA MATRIZ DE RISCO

Os profissionais do SESMT e os trabalhadores já estão acostumados com o Mapa de Risco, uma ferramenta destinada ao reconhecimento dos riscos nos ambientes de trabalho, sendo uma tarefa participativa e didática. Entretanto, não basta reconhecer um risco.  É preciso trabalhar com a sua probabilidade e gravidade. Porisso, surgiram recentemente as técnicas que utilizam uma ferramenta denominada de Matriz de Risco.

Assim que um risco tiver sido identificado, uma avaliação de risco tem de ser aplicada. Se existem diversos riscos que não podem ser abordados logo de cara, é importante priorizar áreas de maior necessidade para que possam ser avaliadas em primeiro lugar.  Para isso é importante determinar a possível severidade do risco e a probabilidade de que possa ocasionar um problema maior.  São as equipes com espírito participativo que fazem esse processo de forma melhor. Elas podem ser oriundas tanto das áreas que vão ser avaliadas ou mesmo de áreas diferentes.

Os ambientes de trabalho devem ser submetidos a um levantamento sistemátio para assegurar que nenhum risco foi esquecido. Perigo e identificação de risco podem ser desenvolvidos em locais, áreas ou em tarefas e serviços ou em cargos e deveres de qualquer espécie.

A avaliação de risco deve destacar:

 

A avaliação do Risco é particularmanente importante qualquer que seja:


Uma avaliação de risco irá indicar as áreas que requerem medidas de controle de risco e deve ser desenvolvida em contato estreito com aqueles que fazem o trabalho. Existem diversos exemplos de métodos de estimativa de risco, particularmente em grandes organizações, muitas das quais desenvolvem suas próprias ferramentas.

Apresentaremos a seguir uma metodologia de trabalho denominada Matriz de Riscos que envolve princípios ergonômicos. Trata-se de uma ferramenta desenvolvida por especialistas da Associação Internacional de Ergonomia (Patt Scott e Barbara McPhee), tendo sido traduzida e adaptada neste post para os usuários do site NRFACIL.

MAPA DE RISCOS E MATRIZ DE RISCOS

Enquanto que o Mapa de Riscos é uma ferramenta para reconhecimento de riscos, a Matriz de Riscos é uma ferramenta para avaliar o grau de risco em determinadas áreas da organização do trabalho.

Veja como construir uma MATRIZ de Risco com 3 Tabelas:

Tabela 1: PROBABILIDADE
(DE UM EVENTO INDESEJÁVEL OCORRENDO):


Tabela 2: CONSEQUÊNCIAS
(DE UM EVENTO INDESEJÁVEL QUE OCORREU):


Tabela 3: A MATRIZ DE RISCO
combinação das 2 tabelas
(PROBABILIDADE X CONSEQUÊNCIA):


Faça uma Matriz de Risco em locais selecionados de sua empresa utilizando uma equipe e avalie a eficácia dessa ferramenta.

Tradução:


Fonte:

ERGONOMICS GUIDELINES FOR OCCUPATIONAL HEALTH PRACTICE IN INDUSTRIALLY DEVELOPING COUNTRIES
Patt Scott and Barbara McPhee

Lido 15676 vezes Última modificação em Terça, 21 Outubro 2014 20:49

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Redator

(NRS 10, 12, 18, 31 E 33) ATMOSFERAS EXPLOSIVAS
NR-35: TREINAMENTO TEÓRICO E PRÁTICO
GUIA DE ANÁLISES ACIDENTE DE TRABALHO
INFORMAÇÕES BÁSICAS SOBRE CORDAS DE SEGURANÇA
SEGURANÇA E UTILIZAÇÃO DE ABRASIVOS
O QUE VOCÊ ESPERA DA EMPRESA?
NR-20: AS 3 CLASSES DE INSTALAÇÕES
ABC DO TRABALHO EM EMBARCAÇÕES
MOTOBOY: CARTILHA PARA PREVENÇÃO DE ACIDENTES NO TRANSITO
GLOSSÁRIO DO INCÊNDIO
SALÁRIO DOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA: VEJA PORQUE É BAIXO
(NR-35) 10 ELEMENTOS BÁSICOS EM PROTEÇÃO DE QUEDAS
50 TONS DE SEGURANÇA NO TRABALHO
CONFIRA AS PRINCIPAIS DÚVIDAS E RESPOSTAS SOBRE A NR-17
SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHADOR (SST) NAS SUBCONTRATAÇÕES: QUESTÕES ATUAIS
SEGURANÇA NA UTILIZAÇÃO DE ANDAIMES
CARTILHA PARA SEGURANÇA NO CANTEIRO DE OBRAS
O STRESS DO EPI
O QUE FAZER NO LOCAL APÓS UM ACIDENTE DE TRABALHO?
O PERIGO DO AMIANTO
LOBBY DO AMIANTO GASTA US$ 100 MILHÕES NO MUNDO
AMIANTO: PERGUNTAS E RESPOSTAS
RUÍDO AERONÁUTICO: IMPACTOS E PERSPECTIVAS ATUAIS
RUÍDO SOMADO À EXPOSIÇÃO A PRODUTOS QUÍMICOS PODE CAUSAR DANOS DEVASTADORES A AUDIÇÃO
CALOR EM AMBIENTE EXTERNO É INSALUBRE?
5 RECOMENDAÇÕES PARA QUEM TRABALHA EM PÉ
BERNARDINO RAMAZZINI - AS DOENÇAS DOS TRABALHADORES (2016)
(NR-9) NÍVEL DE AÇÃO: DEIXANDO SEU PPRA A PROVA DE BALA
OS 10 MANDAMENTOS DO SOCORRISTA
DECAPAGEM QUÍMICA
PROBLEMAS LIGADOS AO ÁLCOOL E AS DROGAS NA SEGURANÇA NO TRABALHO
PONTOS DE VERIFICAÇÃO ERGONÔMICA NA AGRICULTURA
CARTILHA LER-DORT
PREVENÇÃO DE EXPOSIÇÃO AO BENZENO NO BRASIL
DOCUMENTOS MÍNIMOS PARA ATENDIMENTO À NR-12
A BASE DE CÁLCULO DO ADICIONAL DE INSALUBRIDADE
INSALUBRIDADE E PERICULOSIDADE: PERGUNTAS E RESPOSTAS
COMO CALCULAR ADICIONAL DE INSALUBRIDADE
PARA NÃO ESQUECER: 9 MOTIVOS PARA VOCÊ SE PREOCUPAR COM A NOVA LEI DA TERCEIRIZAÇÃO
TRABALHO AEROPORTUÁRIO E PERICULOSIDADE
CÓDIGO DE ÉTICA DOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA DO TRABALHO
Monografia: O DIREITO À PROTEÇÃO AO MEIO AMBIENTE DO TRABALHO PORTUÁRIO
INSS: DIREITO DE REGRESSO EM AÇÕES ACIDENTÁRIAS
(NR-5 CIPA) CULPA E RISCO EM ACIDENTE DE TRABALHO
ANÁLISE DE ACIDENTES: O FIM DA CAT?
ANÁLISE DOS SINAIS PRECURSORES DO ACIDENTE DA P-34
DA MEDICINA DO TRABALHO À SAÚDE DO TRABALHADOR
MÉTODO HRN (HAZARD RATING NUMBER) NA NR-12
VEJA COMO ATUALIZAR SEU SOFTWARE
15 DICAS QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE LINHAS DE VIDA
AFINAL, O QUE É TESTE CARGA?
AFINAL, PODE OU NÃO ILUMINÂNCIA NO PPRA?
SESMT: PERGUNTAS E RESPOSTAS (MTE - 2016)
PROTOCOLO DE SEGURANÇA NO TRABALHO NAS OBRAS DAS OLIMPÍADAS RIO 2016
E-SOCIAL: UMA NOVA ERA NAS RELAÇÕES ENTRE EMPREGADORES, EMPREGADOS E GOVERNO (POR FELIPE COSTA, TST)
MODELAGEM COMPUTACIONAL APLICADA PARA SEGURANÇA/PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS
TIPOS DE FERRAMENTAS MANUAIS
MTE: ESTRATÉGIA NACIONAL PARA REDUÇÃO DE ACIDENTES NO TRABALHO 2015-2016
GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHADOR
UTILIZANDO UMA MATRIZ DE RISCO
GESTÃO DE RISCO NA CONSTRUÇÃO CIVIL
A GESTÃO ESTRATÉGICA DA INFORMAÇÃO DE SAÚDE DO TRABALHADOR

Assine já e participe 

dos nossos grupos 

no Whats App!

Conheça profissionais 

de todo Brasil e tire

suas dúvidas!