AFINAL, O QUE É TESTE CARGA?

Terça, 18 Abril 2017 01:30
Avalie este item
(0 votos)



Quando há dúvidas sobre o desempenho estrutural de um elemento ou quando queremos comprovar a eficiência e resistência de um sistema de proteção coletiva, a alternativa é realizar um teste ou prova de carga.

A técnica também é aplicável para atestar a qualidade de estruturas novas ou que sofreram mudança de uso ou passaram por recuperação e reforço. Logo, se houve alteração no projeto é necessário novo Teste de Carga.

Com o passar do tempo, a pratica de execução do Teste de Carga tem se tornado uma rotina nos canteiros de obra, visto que, o Ministério do Trabalho exige que a construtora responsável pelo empreendimento, comprove a eficiência e resistência de todas as proteções coletivas existentes no canteiro.

Existem vários tipos de Teste de Carga que servem para comprovar a resistência e eficiência das proteções coletivas, e eles são realizados desde o início da obra até a entrega do imóvel ao proprietário.

Cada proteção exige um determinado procedimento de Teste de Carga específico. Existem vários tipos de proteção coletiva. Portanto, existem vários procedimentos de Teste de Carga, que dependem do empreendimento e do caderno de proteções dos mesmos.

tab2

 

 

1 - Teste de Carga em olhais (ancoragem):

É um teste de tracionamento, usado para ancoragens definitivas ou provisórias e até mesmo para movimentação de cargas. Ela permite a avaliação da sua integridade, de modo a garantir que estão aptos a realizar com segurança as solicitações de carga para os quais foram construídos.

Para Teste de Carga nesses elementos a legislação pede que a carga aplicada seja de 1.500 Kgf.

 

 
2 - Teste de Carga em linha de vida (cabo de aço):

O teste consiste em submeter o corpo de prova a um esforço de tração gradativo entre os tubos galvanizados, de modo a atingir a carga desejada. Deve-se levar em conta o projeto de montagem e a estimativa de quantos trabalhadores ficam conectados a esta linha.O cálculo da carga aplica será justamente um fator de segurança que contemple todas essas informações. Neste caso 1.500 Kgf sob a argumentação de que se trata de uma ancoragem provisória do trabalhador. No entanto, dispositivos de ancoragem (fixos ou provisórios) trabalham atrelados ao elemento estrutural da edificação, o que não se aplica a linha de vida.

 

 3 - Teste de Carga em plataforma de proteção (bandeja):

 

Existem maneiras diferentes de fazer o ensaio nas bandejas, sejam primárias ou secundárias.Um detalhe a ser observado na execução é que, dependendo do processo de ensaio, a integridade da bandeja pode ser reduzida. Isto ocorre, por exemplo, no caso de furos ou recortes no assoalho para aplicação da carga.

A legislação também não especifica a carga a ser aplicada, Nesse caso, deve novamente haver interação entre contratante e contratado, para levar em consideração algumas questões, tais como: número de trabalhadores que vão precisar estar em cima da bandeja em uma provável manutenção e/ou limpeza, o volume de entulho acumulado que a mesma pode apresentar, as dimensões da bandeja, etc.. De posse destas informações, podemos definir a carga a ser aplicada.

 

 
3 - Teste de Carga em plataforma de proteção (bandeja):

Quando falamos em guarda corpo, podemos estender a questão à guarda corpo de varanda, de periferia, de escavação, de escada estrutural, de laje, etc..

Um detalhe importante; a legislação nos informa que a peça deve resistir a uma força determinada em Norma no centro da estrutura. No entanto, podemos observar o teste sendo feito de várias formas por diversas empresas.Algumas exercem a carga tanto no roda-pé quanto no travessão intermediário, outras no travessão superior, outras nos três elementos.

O que devemos nos atentar é se a carga esta sendo aplicada no centro da estrutura, como é a estrutura do guarda corpo,em caso de queda do trabalhador, onde a eficiência deve ser comprovada e qual é a peça que deve suportar maior carga (rodapé, travessão intermediário ou travessão superior). Será válido como forma pró ativa e de boa prática, testar os três elementos do guarda corpo.

 


Considerações Finais

Deve-se evitar Testes de Carga que alteram a estrutura testada e, assim, acabam sendo destrutivos para as proteções coletivas, no momento de comprovar sua resistência e eficiência.

Todas as questões apresentadas e debatidas acima não esgotam o assunto e devem ser conversadas entre contratantes e contratados, para melhor resguardar a construtora e melhor aplicar e validaras proteções coletivas.

Pesquise, converse e tire suas dúvidas.

Estamos a disposição!

 

  

Lido 296 vezes Última modificação em Quarta, 19 Abril 2017 17:44

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Redator

NR-35: TREINAMENTO TEÓRICO E PRÁTICO
GUIA DE ANÁLISES ACIDENTE DE TRABALHO
INFORMAÇÕES BÁSICAS SOBRE CORDAS DE SEGURANÇA
SEGURANÇA E UTILIZAÇÃO DE ABRASIVOS
O QUE VOCÊ ESPERA DA EMPRESA?
NR-20: AS 3 CLASSES DE INSTALAÇÕES
ABC DO TRABALHO EM EMBARCAÇÕES
MOTOBOY: CARTILHA PARA PREVENÇÃO DE ACIDENTES NO TRANSITO
GLOSSÁRIO DO INCÊNDIO
SALÁRIO DOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA: VEJA PORQUE É BAIXO
(NR-35) 10 ELEMENTOS BÁSICOS EM PROTEÇÃO DE QUEDAS
50 TONS DE SEGURANÇA NO TRABALHO
CONFIRA AS PRINCIPAIS DÚVIDAS E RESPOSTAS SOBRE A NR-17
SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHADOR (SST) NAS SUBCONTRATAÇÕES: QUESTÕES ATUAIS
SEGURANÇA NA UTILIZAÇÃO DE ANDAIMES
CARTILHA PARA SEGURANÇA NO CANTEIRO DE OBRAS
O STRESS DO EPI
O QUE FAZER NO LOCAL APÓS UM ACIDENTE DE TRABALHO?
RUÍDO AERONÁUTICO: IMPACTOS E PERSPECTIVAS ATUAIS
RUÍDO SOMADO À EXPOSIÇÃO A PRODUTOS QUÍMICOS PODE CAUSAR DANOS DEVASTADORES A AUDIÇÃO
CALOR EM AMBIENTE EXTERNO É INSALUBRE?
5 RECOMENDAÇÕES PARA QUEM TRABALHA EM PÉ
BERNARDINO RAMAZZINI - AS DOENÇAS DOS TRABALHADORES (2016)
(NR-9) NÍVEL DE AÇÃO: DEIXANDO SEU PPRA A PROVA DE BALA
OS 10 MANDAMENTOS DO SOCORRISTA
DECAPAGEM QUÍMICA
PROBLEMAS LIGADOS AO ÁLCOOL E AS DROGAS NA SEGURANÇA NO TRABALHO
PONTOS DE VERIFICAÇÃO ERGONÔMICA NA AGRICULTURA
CARTILHA LER-DORT
PREVENÇÃO DE EXPOSIÇÃO AO BENZENO NO BRASIL
A BASE DE CÁLCULO DO ADICIONAL DE INSALUBRIDADE
INSALUBRIDADE E PERICULOSIDADE: PERGUNTAS E RESPOSTAS
COMO CALCULAR ADICIONAL DE INSALUBRIDADE
PARA NÃO ESQUECER: 9 MOTIVOS PARA VOCÊ SE PREOCUPAR COM A NOVA LEI DA TERCEIRIZAÇÃO
TRABALHO AEROPORTUÁRIO E PERICULOSIDADE
CÓDIGO DE ÉTICA DOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA DO TRABALHO
Monografia: O DIREITO À PROTEÇÃO AO MEIO AMBIENTE DO TRABALHO PORTUÁRIO
INSS: DIREITO DE REGRESSO EM AÇÕES ACIDENTÁRIAS
(NR-5 CIPA) CULPA E RISCO EM ACIDENTE DE TRABALHO
ANÁLISE DE ACIDENTES: O FIM DA CAT?
ANÁLISE DOS SINAIS PRECURSORES DO ACIDENTE DA P-34
DA MEDICINA DO TRABALHO À SAÚDE DO TRABALHADOR
VEJA COMO ATUALIZAR SEU SOFTWARE
15 DICAS QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE LINHAS DE VIDA
AFINAL, O QUE É TESTE CARGA?
AFINAL, PODE OU NÃO ILUMINÂNCIA NO PPRA?
SESMT: PERGUNTAS E RESPOSTAS (MTE - 2016)
PROTOCOLO DE SEGURANÇA NO TRABALHO NAS OBRAS DAS OLIMPÍADAS RIO 2016
E-SOCIAL: UMA NOVA ERA NAS RELAÇÕES ENTRE EMPREGADORES, EMPREGADOS E GOVERNO (POR FELIPE COSTA, TST)
MODELAGEM COMPUTACIONAL APLICADA PARA SEGURANÇA/PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS
TIPOS DE FERRAMENTAS MANUAIS
MTE: ESTRATÉGIA NACIONAL PARA REDUÇÃO DE ACIDENTES NO TRABALHO 2015-2016
GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHADOR
UTILIZANDO UMA MATRIZ DE RISCO
GESTÃO DE RISCO NA CONSTRUÇÃO CIVIL
A GESTÃO ESTRATÉGICA DA INFORMAÇÃO DE SAÚDE DO TRABALHADOR

Assine já e participe 

dos nossos grupos 

no Whats App!

Conheça profissionais 

de todo Brasil e tire

suas dúvidas!