TIPOS DE EXTINTORES DE INCÊNDIO

Terça, 12 Dezembro 2017 05:49
Avalie este item
(1 Votar)



Hoje o Colaborador Fabrício Nogueira vai falar neste artigo sobre 
a NR da semana, a NR-23, mais especificamente sobre Extintores. 

Os Extintores de Incêndio são dispositivos de combate ao princípio de incêndio. Consiste em um reservatório que armazenam substância ou compostos extintores, eficazes contra algumas classes de incêndio. Fazem parte do sistema móvel do sistema contra incêndio, devem estar localizados em lugares estratégicos, de fácil acesso e visualização. 

Esses dispositivos são a primeira frente de combate ao incêndio, por isso, devem sem devidamente sinalizados e devem passar por inspeção periodicamente, para garantir seu divido funcionamento. Embora tenha o nome extintor de incêndio, você precisa ter claro na sua mente que extintores de incêndio servem para o foco do fogo.

Somente para apagar o foco ou o principio de incêndio.

 

 

Classes de Fogo

As classes de fogo são determinadas pelo agente combustível (o material ou substância que está em combustão). Na literatura, encontramos pelo menos 5 classes de fogo, estas são designadas por letras maiúsculas do nosso alfabeto, são elas:

Classe A – Fogo em material sólido comum. Exemplos: Madeira, papéis, plásticos e outros o grande diferencial é que este tipo de fogo ele queima não só em superfície como também em profundidade.

Classe B - Fogo em combustível sólido que viram líquido por ação do calor, como exemplo a graxa. E temos também o fogo em combustível líquido, como exemplo, o álcool, a gasolina. Neste caso o fogo acontece apenas na superfície.

Classe C – Fogo em Equipamentos e Instalações Elétricas Energizadas.

Classe D – Fogo em metais combustíveis ou materiais pirofóricos, trata-se de fogo em metais usados na fabricação de fogos de artifício. Exemplo: magnésio, selênio, antimônio, lítio, potássio e entre outros.

Classe K – Esse K vem do Inglês Kitchen (cozinha), é incêndio em óleos vegetais, animais e gorduras usadas em cozinhas industriais e Comerciais.


 

Classificação de Extintores

Os extintores são classificados por: quanto ao agente extintor, quanto a ação sobre o fogo e massa total.

Quanto ao Agente Extintor – essa classificação é devido a substância ou composto que é pressurizado dentro do extintor. Os mais comumente encontrados são: água, CO2, pó químico seco e espuma mecânica.

Quanto a Ação sobre o Fogo – os agente extintores ainda podem combater o fogo por maneiras distintas como: abafamento, resfriamento e quebra da reação em cadeia.

Abafamento – é a retirada do comburente (é o elemento que associado quimicamente ao combustível é capaz de fazê-lo entrar em combustão. Principal exemplo é o oxigênio). A ação consiste em saturar o local com substância extintora anulando a concentração do comburente.

Resfriamento – como o nome já diz, é o combate ao incêndio através de substância que retira o calor do material combustível.

Quebra da Reação em Cadeia – sua ação é por substância química que pela ação do calor se transforma em uma mistura não inflamável, quebrando assim o ciclo do fogo.

Quanto a massa total – podem ser portáteis quando tem menos de 20 Kg ou sobre rodas  quando possuem mais de 20 kg, podendo ter até 250 Kg.

Novamente, é importante muito importante que se tenha pessoas da própria edificação com treinamento para utilizar esse equipamento. O treinamento é rápido, fácil e não demanda um investimento financeiro grande. Indicamos que seja feito treinamentos quando se notar necessidade de recarregar os extintores.

O agente extintor mais o peso do corpo do extintor pode chegar a 18kg, então a própria retirada do local que o extintor esteja fixado pode causar acidentes, a percepção de peso e identificação das dificuldades individuais pode gerar melhores resposta frente ao principio de incêndio.

 

 

Extintores mais Encontrados

Água pressurizada - Como o nome já diz, a substância extintora é a água.

Este extintor tem ação por resfriamento e só pode ser usado para combater principio de incêndio de classe A.

Esse extintor é composto basicamente de conjunto de válvula, manômetro, mangueira e cilindro com solda.


Pó Químico Seco (PQS) – O a composto extintor é a base de bicarbonato de sódio (PQS-Classe B e C).

Sua ação se dá por resfriamento, abafamento e quebra da reação em cadeia, seu uso é aconselhado para principio de incêndio classe B e C.

 

Este extintor é bastante semelhante ao de água pressurizada, sendo composto basicamente de conjunto de válvula, manômetro, mangueira e cilindro com solda.

Existe ainda outro tipo de extintor PQS que pode ser usado para princípios de incêndio de classe A, B e C que falaremos em outra oportunidade.


CO – A substância extintora é o dióxido de carbono (CO). Atua por abafamento, saturando o ar, impedindo o oxigênio de atuar como comburente do incêndio.

Pode ser usado para princípio de incêndio classe B e C e é um extintor considerado limpo, não deixar resíduo e não danifica equipamentos.

Enquanto sua composição básica, esse extintor é diferente dos anteriores, ele não possui manômetro (por ser um extintor de alta pressão), na extremidade da mangueira ele possui um difusor (protege o usuário de queimadura de gelo seco, pois a emissão de gás pressurizado pode chegar até -70°C) e por fim seu cilindro é interiço (não possui solda, por ser um extintor de alta pressão).

 

Inspeção dos Extintores

O constante monitoramento de seus extintores pode garantir que eles estejam em perfeito funcionamento no momento de uma emergência.

Essa inspeção pode ser feita por algum responsável ou funcionário da edificação em poucos minutos.

Criamos um check-list com algumas perguntas básicas que podem ser usada nessa tarefa, sugerimos que seja feita essa inspeção, pelo menos 1 vez por mês.


inst

 

 



Lido 266 vezes Última modificação em Quarta, 13 Dezembro 2017 21:55

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Redator

TIPOS DE EXTINTORES DE INCÊNDIO
E-BOOK PARA EXTINTORES DE INCÊNDIO
NR-23: O QUE VOCÊ PRECISA SABER
(NRS 10, 12, 18, 31 E 33) ATMOSFERAS EXPLOSIVAS
NR-35: TREINAMENTO TEÓRICO E PRÁTICO
GUIA DE ANÁLISES ACIDENTE DE TRABALHO
INFORMAÇÕES BÁSICAS SOBRE CORDAS DE SEGURANÇA
SEGURANÇA E UTILIZAÇÃO DE ABRASIVOS
O QUE VOCÊ ESPERA DA EMPRESA?
NR-20: AS 3 CLASSES DE INSTALAÇÕES
ABC DO TRABALHO EM EMBARCAÇÕES
MOTOBOY: CARTILHA PARA PREVENÇÃO DE ACIDENTES NO TRANSITO
GLOSSÁRIO DO INCÊNDIO
SALÁRIO DOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA: VEJA PORQUE É BAIXO
(NR-35) 10 ELEMENTOS BÁSICOS EM PROTEÇÃO DE QUEDAS
50 TONS DE SEGURANÇA NO TRABALHO
CONFIRA AS PRINCIPAIS DÚVIDAS E RESPOSTAS SOBRE A NR-17
SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHADOR (SST) NAS SUBCONTRATAÇÕES: QUESTÕES ATUAIS
SEGURANÇA NA UTILIZAÇÃO DE ANDAIMES
CARTILHA PARA SEGURANÇA NO CANTEIRO DE OBRAS
O STRESS DO EPI
O QUE FAZER NO LOCAL APÓS UM ACIDENTE DE TRABALHO?
O PERIGO DO AMIANTO
LOBBY DO AMIANTO GASTA US$ 100 MILHÕES NO MUNDO
AMIANTO: PERGUNTAS E RESPOSTAS
RUÍDO AERONÁUTICO: IMPACTOS E PERSPECTIVAS ATUAIS
RUÍDO SOMADO À EXPOSIÇÃO A PRODUTOS QUÍMICOS PODE CAUSAR DANOS DEVASTADORES A AUDIÇÃO
CALOR EM AMBIENTE EXTERNO É INSALUBRE?
5 RECOMENDAÇÕES PARA QUEM TRABALHA EM PÉ
BERNARDINO RAMAZZINI - AS DOENÇAS DOS TRABALHADORES (2016)
(NR-9) NÍVEL DE AÇÃO: DEIXANDO SEU PPRA A PROVA DE BALA
OS 10 MANDAMENTOS DO SOCORRISTA
DECAPAGEM QUÍMICA
PROBLEMAS LIGADOS AO ÁLCOOL E AS DROGAS NA SEGURANÇA NO TRABALHO
PONTOS DE VERIFICAÇÃO ERGONÔMICA NA AGRICULTURA
CARTILHA LER-DORT
PREVENÇÃO DE EXPOSIÇÃO AO BENZENO NO BRASIL
DOCUMENTOS MÍNIMOS PARA ATENDIMENTO À NR-12
A BASE DE CÁLCULO DO ADICIONAL DE INSALUBRIDADE
INSALUBRIDADE E PERICULOSIDADE: PERGUNTAS E RESPOSTAS
COMO CALCULAR ADICIONAL DE INSALUBRIDADE
PARA NÃO ESQUECER: 9 MOTIVOS PARA VOCÊ SE PREOCUPAR COM A NOVA LEI DA TERCEIRIZAÇÃO
TRABALHO AEROPORTUÁRIO E PERICULOSIDADE
CÓDIGO DE ÉTICA DOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA DO TRABALHO
Monografia: O DIREITO À PROTEÇÃO AO MEIO AMBIENTE DO TRABALHO PORTUÁRIO
INSS: DIREITO DE REGRESSO EM AÇÕES ACIDENTÁRIAS
(NR-5 CIPA) CULPA E RISCO EM ACIDENTE DE TRABALHO
ANÁLISE DE ACIDENTES: O FIM DA CAT?
ANÁLISE DOS SINAIS PRECURSORES DO ACIDENTE DA P-34
DA MEDICINA DO TRABALHO À SAÚDE DO TRABALHADOR
MÉTODO HRN (HAZARD RATING NUMBER) NA NR-12
VEJA COMO ATUALIZAR SEU SOFTWARE
15 DICAS QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE LINHAS DE VIDA
AFINAL, O QUE É TESTE CARGA?
AFINAL, PODE OU NÃO ILUMINÂNCIA NO PPRA?
SESMT: PERGUNTAS E RESPOSTAS (MTE - 2016)
PROTOCOLO DE SEGURANÇA NO TRABALHO NAS OBRAS DAS OLIMPÍADAS RIO 2016
E-SOCIAL: UMA NOVA ERA NAS RELAÇÕES ENTRE EMPREGADORES, EMPREGADOS E GOVERNO (POR FELIPE COSTA, TST)
MODELAGEM COMPUTACIONAL APLICADA PARA SEGURANÇA/PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS
TIPOS DE FERRAMENTAS MANUAIS
MTE: ESTRATÉGIA NACIONAL PARA REDUÇÃO DE ACIDENTES NO TRABALHO 2015-2016
GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHADOR
UTILIZANDO UMA MATRIZ DE RISCO
GESTÃO DE RISCO NA CONSTRUÇÃO CIVIL
A GESTÃO ESTRATÉGICA DA INFORMAÇÃO DE SAÚDE DO TRABALHADOR

Assine já e participe 

dos nossos grupos 

no Whats App!

Conheça profissionais 

de todo Brasil e tire

suas dúvidas!