PRECONCEITO CONTRA OS TERCEIRIZADOS PODE CAUSAR ACIDENTES DE TRABALHO

Domingo, 12 Abril 2015 19:27
Avalie este item
(0 votos)

Este artigo tem como objetivo fazer o apontamento de como a relação dos funcionários fixos ou efetivos de uma Empresa pode tornar-se problemática na relação com os denominados funcionários “terceirizados”.

Antes de mais nada, como se pode conceitualizar o termo “terceirizado”?

Conforme os especialistas na temática em pauta, “terceirizar” significa o ato de a empresa empregar profissionais de serviços por meio de uma  outra empresa que fará a intermediação entre o contratante final dos serviços e o profissional que prestará o serviço por meio de sua  mão-de-obra, através de um contrato de prestação de serviços.


 

A Relação de trabalho se estabelece entre o trabalhador e a empresa prestadora de serviços, e não diretamente com o contratante (tomador) destes serviços

 

Trata-se de um expediente de caráter administrativo que permite à empresa tomadora final dos serviços junto à terceirizadora, dedicar-se com mais veemência e objetividade à elaboração e à execução de seu produto principal.
 

Por exemplo, uma fábrica de sapatos deve empenhar-se para especializar-se nas etapas concernentes à especificidade de seus produto: design do sapato, tipo de material a ser usado, moldes diferenciados, estratégias de marketing, escolha dos maquinários, definição dos profissionais diretamente ligados à produção, treinamento desses funcionários, planos de vendas e afins.


Quanto às áreas não primordiais à atividade central desta fictícia fábrica de sapatos, vários outros serviços podem ser terceirizados: a segurança, a limpeza, a contabilidade, o transporte, a cozinha, a copa e as refeições, os serviços de venda, a manutenção de equipamentos etc, logicamente tudo embasado nos planos gerais que devem orientar e permear as ações voltadas à produtividade para a  melhor performance da empresa e o devido cumprimento de suas metas.


No Brasil, as Leis orientam que as denominadas “atividades-meio” das empresas são passíveis  de  terceirização, ou seja, aquelas que não estão associadas intrinsecamente à mercadoria, produto ou serviço final.


Entendamos através deste exemplo: a atividade-meio da fictícia fábrica de sapato pode ser a limpeza, a segurança, o transporte e relativas ações.


A atividade-fim é executada pelo sujeito (funcionário efetivo da empresa), como segue:  no que tange ao desenho do sapato, ao molde do sapato, ao corte do material que faz o sapato, na costura, cola e  montagem das partes do sapato, no seu acabamento e fim.


A atividade-fim pode ser interpretada, à luz da CLT-Consolidação das Leis Trabalhistas, em seu artigo 581, parágrafo 2, como a explicitação que requer, à parte das atividades-meio que excluem a produção do artigo ou serviço, em sua realização sem intermediários, direta e específica.


É óbvio que, por muitas vezes, as atividades-meio e atividades-fim têm uma tênue e quase imperceptível fronteira entre elas, o que gera paradoxos e contradições.


Exemplifique-se: um Banco estatal existe, entre outras coisas, para conceder financiamento, receber pagamentos ou abrir uma conta corrente. Notificamos empiricamente casos, em todo o país,  em que uma pessoa vai até uma “lotérica”, ou seja,  balcões que vendem bilhetes de loteria, fazem a contravenção do “jogo do bicho”  e, apesar disso, abrem uma conta corrente, recebem pagamentos de boletos etc; este ato não está sendo feito por um funcionário efetivo da Empresa (Banco estatal), mas por um funcionário terceirizado. 

 



 

É correta tal ação e a relativa condição? Há que, no mínimo duvidar-se muito da honestidade e efetividade ética de tal contexto

 

É correta tal ação e a relativa condição? Há que, no mínimo, duvidar-se muito da honestidade e efetividade ética de tal  contexto.


Mas, abordemos agora a questão pontual da segregação e preconceituosa orientação dos funcionários fixos ou registrados de uma empresa em relação aos colaboradores terceirizados.


Primeiramente, o funcionário terceirizado é conceitualizado como um profissinal menos valorizado socialmente pelo fato de ganhar relativamente bem menos do que o funcionário fixo: é o fruto radical que explicita um viés da subcontratação, a qual tem menor valor implicitamente, o que se impõe como barreira dialética natural, o que leva a discriminação latente, mas real.


Na prática, presencia-se os trabalhadores terceirizados utilizando ambientes diversos dos efetivos: banheiros, vestiários, vestimentas, cozinhas, armários (se é que eles os têm), até no quesito alimentação que se diferencia errônea e tristemente.


Também no aspecto interpessoal as diferenças ruins se afloram, mesmo quando apenas no aspecto individual de cada ser: os “efetivos simplesmente não trocam diálogo com os terceirizados, pois se acham, de certa forma, superiores em relação aos ditos”.


Estes aspectos, que todos sabem empiricamente distinguir com valor de  verdade, causam uma deficiência muito expressiva, quando não constatada pelos gestores da empresa.


As consequências são crassas em relação aos funcionários terceirizados:


• afastamentos e licenças médicas advindas de problemas psicológicos, como de depressão ou afins, pelo preconceito dos “efetivos”;

• problemas relacionados a acidentes originados pela falta de atenção ou concentração nas atividades rotineiras, pois falta a solidariedade que dá sentido às ações;

• a falta de diálogo que acarreta acidentes originados na falta de informação referentes a equipamentos e instalações, por exemplo, como não se ter consciência onde está o extintor de incêndio, onde se tem uma carga de 110 ou 220 volts ou se um botijão de gás está a vazar.

Em um outra vertente bivalente, consequência de um sistema eticamente injusto, e até como sinal de auto-proteção dos “terceirizados”, há a possibilidade de utilização de artifícios que signifiquem “não colaborar” devidamente com os “efetivos” da empresa.

Tais atos expôem-se como uma espécie de “sabotagem” que podem logicamente gerar várias adversidades por parte dos “terceirizados”:

 

• problemas de confiabilidade na feitura da alimentação;

• precariedades na limpeza dos ambientes;

• não excelência na manutenção de equipamentos de trabalho (elétricos, hidráulicos etc);

• inconsistência no funcionamento dos aparelhos concernentes à segurança patrimonial;

• carência de informações gerais e específicas que são a base para um edificante planejamento;

 

Em suma, este artigo estrutura-se no sentido de evidenciar que a “terceirização” é um artifício que pode ser positivo (ou não) para as empresas, e até para os Governos, e a questão primordial é a de se detectar se  há valorização das metas e objetivos da empresa na comparação ao exercício que se materializa no devir que verte do trabalho de cada ser, de cada pessoa, de cada trabalhador, de cada indivíduo. 

Sem exilarmos a ideia em voga, em moda e extremamente prenunciadora de paz que é: sustentabilidade! A paz é o mundo sustentável.

 

A relação dos funcionários fixos ou efetivos de uma Empresa pode tornar-se problemática na relação com os denominados funcionários "terceirizados"

 

Como foi afirmado, este artigo teve como objetivo fazer o apontamento de como a relação dos funcionários fixos ou efetivos de uma Empresa pode tornar-se problemática na relação com os denominados funcionários “terceirizados”. 

E este é um tema brilhante e atual para se ministrar na SIPAT- SEMANA INTERNA DE PREVENÇÃO AOS ACIDENTE NO TRABALHO.

Importante é a busca e a contratação conscientes de empresas e profissionais experientes para o bom andamento da SIPAT.

MAURO CUNHA FILHO

Jornalista: MTB.21.497-SP

SIPAT SHOW PALESTRAS TEATRO E MÁGICAS PARA SIPAT

WWW.SIPATSHOW.COM.BR

 

 

Lido 2291 vezes Última modificação em Terça, 14 Abril 2015 21:30

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Revista NRFACIL

O FIM DA IDEOLOGIA NO COMBATE AO TRABALHO ESCRAVO
TRABALHO ESCRAVO: O QUE É PRECISO SABER PARA CORRIGIR AS BOBAGENS QUE SEU AMIGO DIZ NO BOTECO
(NR-12) ALERTAS PARA MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS
MULHERES MORREM ESMAGADAS POR PRENSA
PRÊMIO PROTEÇÃO BRASIL 2017 DIVULGA SEUS GANHADORES
FOI MESMO UM ACIDENTE?
PGT: TERCEIRIZAÇÃO PODE AUMENTAR ACIDENTES DE TRABALHO
CONTROLADOR DE VELOCIDADE VIA GPS PODE REDUZIR ACIDENTES NAS ESTRADAS
PLATAFORMA AÉREA INADEQUADA PODE CAUSAR ACIDENTES
FALTA BOM SENSO E COERÊNCIA (POR VICTOR COSTA)
FISCAIS IDENTIFICAM TRABALHO IRREGULAR NA VILA OLÍMPICA
ROBÔS JÁ SÃO REALIDADE EM AMBIENTES DE TRABALHO NO SUDESTE ASIÁTICO, APONTA OIT
SERÁ QUE A CULPA É NOSSA?
REFERÊNCIA EM SST, OBRA DE RAMAZZINI ESTÁ DISPONÍVEL PARA DOWNLOAD
PROIBIÇÃO DO USO DE CELULAR NOS CANTEIROS REFORÇA A SST
FUNCIONÁRIO DE USINA MORRE ELETROCUTADO EM TRATOR
DICAS PARA ENTREVISTA DE ESTÁGIO OU PRIMEIRO EMPREGO DO TST
OBRAS NA VILA OLÍMPICA SÃO EMBARGADAS E INTERDITADAS POR FALTA DE SEGURANÇA
COMO A CRISE PREJUDICA O PROFISSIONAL DE SST
OBRAS DA RIO-2016 JÁ MATARAM MAIS TRABALHADORES DO QUE EM TODAS AS OBRAS DA COPA DE 2014
APÓS 45 ANOS, ACIDENTE DE TRABALHO QUE MATOU 69 CONTINUA A FAZER VÍTIMAS
SERÁ QUE ACIDENTE DE TRABALHO É ALGO IMPREVISÍVEL?
FUNCIONÁRIO DA PETROBRÁS MORRE AO CAIR EM TANQUE INTERDITADO, DIZ SINDICATO
ROBÔS QUE TRABALHAM LADO A LADO COM OEPÁRIOS CHEGAM A INDÚSTRIA DO PAÍS
AS ESTATÍSTICAS DE ACIDENTES DO TRABALHO NO BRASIL
SOLICITAÇÃO E ENTREGA DE EPIs
PRECONCEITO CONTRA OS TERCEIRIZADOS PODE CAUSAR ACIDENTES DE TRABALHO
ALERTA DE SEGURANÇA DO MÊS DE ABRIL PARA PRÁTICAS DE TRABALHO SEGURO
O QUE FAZER CASO O DONO DA EMPRESA NÃO USE EPI NA ÁREA DE PRODUÇÃO?
COLABORADOR EM GOZO DE FÉRIAS, NO PERÍODO DE INSCRIÇÃO PARA ELEIÇÃO DA CIPA, PODE SE INSCREVER PARA SER MEMBRO?
NO ESPAÇO CONFINADO ALÉM DA NR 33, TEMOS QUE SEGUIR A NR 35 ONDE HÁ O RISCO DE QUEDA A MAIS DE 2M DE ALTURA?
ACIDENTE DE TRAJETO CRESCE, PREJUDICANDO EMPREGADO E PREVIDÊNCIA
AS 10 PROFISSÕES MAIS MORTAIS DOS ESTADOS UNIDOS
ACIDENTE EM ELETRICIDADE
PREJUIZOS E RISCOS EM ARMAZENAGEM FORA DE PADRÕES
AUMENTAM OS ACIDENTES E DIMINUEM OS AUDITORES FISCAIS
PERICULOSIDADE:­ INTERMITENCIA
PROTEÇÃO NO TRABALHO INFORMAL
REVISTA NRFACIL EDIÇÃO ESPECIAL: CONGRESSO MUNDIAL EM SST NA ALEMANHA
O BOM TRABALHO
ENTREVISTA: LAUDOS E PERÍCIAS EM SST
UM NOVO DESAFIO PARA O SESMT: A INTERAÇÃO HOMEM X ROBÔS
UMA ABORDAGEM SOBRE PERÍCIA TRABALHISTA!
EXISTIRIA UMA PROPENSÃO PARA ACIDENTES?
RELATÓRIO DE ATIVIDADES
DURABILIDADE DE EPIS
POLÍCIA E ACIDENTES DE TRABALHO
AVALIAÇÃO DE CABOS DE AÇO
CIPA X DESIGNADOS
STF JULGA FUTURO DO AMIANTO, QUE ESTÁ NA MAIORIA NOS TELHADOS DO PAÍS
A LINGUAGEM QUE ESTÁ NO RÓTULO DO AGROTÓXICO É INACESSÍVEL PARA O AGRICULTOR
'ATENÇÃO, CONTÉM AMIANTO': STF JULGA FUTURO DA POLEMICA FIBRA, COMUM EM TELHADOS NO BRASIL
DESENVOLVER DOENÇA OCUPACIONAL GERA INDENIZAÇÃO, MESMO SE HOUVER CURA
CÂMARA DE SP APROVA BANIMENTO DE 14 AGROTÓXICOS
JULGAMENTO NO STF SOBRE USO DO AMIANTO AMEAÇA TRABALHADOR
ESTRESSE É UM DOS FATORES QUE MAIS CAUSA AFASTAMENTO E FALTA
TRABALHADORES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CONTAM COM GRUPO DE APOIO DO SECONCI-SP PARA DEPENDENTES QUÍMICOS EM SÃO PAULO
REPRESENTANTES DO ESTADO BRASILEIRO ALERTAM PARA TENTATIVAS DE ESVAZIAMENTO DO CONCEITO DE TRABALHO ESCRAVO
PARÁ LIDERA O RANKING REGIONAL DE TRABALHO INFANTIL
PESQUISA MOSTRA COMO A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO DOS JORNALISTAS CAUSA SOFRIMENTO E PRAZER
MPT RECOMENDA QUE VEREADORES NÃO APROVEM USO DO AMIANTO
CUIDADOS ESSENCIAIS PARA QUEM FICA MUITO TEMPO SENTADO
MINISTÉRIO DO TRABALHO RECEBE PROPOSTAS SOBRE EXAME TOXICOLÓGICO EM MOTORISTAS PROFISSIONAIS
COMISSÃO DEBATERÁ PROJETO QUE REGULAMENTA NORMAS SOBRE MEIO AMBIENTE DO TRABALHO
MOTORISTA DE AMBULÂNCIA DEVERÁ RECEBER INSALUBRIDADE
LEI PROÍBE TRABALHO DE GESTANTES EM ATIVIDADES PERIGOSAS
TRANSTORNOS MENTAIS ATINGIRAM MAIS DE 200 MIL PESSOAS NO BRASIL
MTE REGULAMENTA EXPOSIÇÃO AO FUMO
TST: ADICIONAIS DE INSALUBRIDADE E PERICULOSIDADE SE ACUMULAM
PORTARIA DIVULGA LISTA DE SUBSTÂNCIAS CANCERÍGENAS PARA HUMANOS
SUSTENTABILIDADE EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO
DISTÚRBIOS MENTAIS EM TRABALHADORES DE TURNOS ALTERNANTES
ENTENDENDO AS NECESSIDADES DA PRÓXIMA GERAÇÃO DE TRABALHADORES
DOENÇAS NO TRABALHO
PERÍCIA MÉDICA
DISPENSA E REINTEGRAÇÃO
ATESTADOS MÉDICOS
CONFLITO INSS X ASO
ESQUIZOFRENIA É DOENÇA OCUPACIONAL?
RISCOS "VERDES"?
CONFEDERAÇÃO DA INDÚSTRIA DEFENDE PORTARIA SOBRE TRABALHO ESCRAVO
PORTARIA SOBRE TRABALHO ESCRAVO PODE SOFRER ALTERAÇÕES, DIZ TEMER
SENADORA KÁTIA ABREU DETONA A NR-31
MPT E MPF PEDEM REVOGAÇÃO DE PORTARIA
QUEREM SUSTAR A NR-12: VOCÊ VAI DEIXAR?
SUPREMO DECIDIRÁ EFEITOS DA NOVA LEI DE TERCEIRIZAÇÃO EM SÚMILA DO TST
AS PERÍCIAS E OS PERITOS NA ATUALIDADE
GOVERNO DEFENDE SEPARAÇÃO ENTRE PREVIDÊNCIA E SEGURANÇA DO TRABALHO
CONSULTA PÚBLICA: NR REFERENTE ÀS ATIVIDADES DE LIMPEZA URBANA
EMPRESAS PAGARÃO R$1 MI POR FALTA DE SEGURANÇA DO TRABALHO
SENADO FEDERAL REALIZA CONSULTA SOBRE APLICAÇÃO DA NR-12
REFORMA TRABALHISTA PREVÊ NEGOCIAÇÃO DE FÉRIAS E 13º SALÁRIO
MTE DISPONIBILIZA REGISTRO DO SESMT PELA INTERNET
PRORROGADA CONSULTA PÚBLICA PARA NORMA DE PERICULOSIDADE EM ATIVIDADES DE MOTOCICLETA
MTPS DISPONIBILIZA DADOS SOBRE ACIDENTES DO TRABALHO POR CNPJ
RESOLUÇÃO DO CONTRAN PROÍBE USO DE CORDAS PARA AMARRAR CARGAS
REGISTRO DO TÉCNICO DE SEGURANÇA SERÁ FEITO EM CARTÃO
REVOGAÇÃO DA NR-12 PEDE URGÊNCIA E TERÁ DEBATE
CÁLCULO DO FAP SERÁ POR ESTABELECIMENTO
AÉREAS TEMEM ALTA DE CUSTO TRABALHISTA
COMO TRATAR A GARANTIA DE EMPREGO ADQUIRIDA PELOS CIPEIROS?
NR 12 - O ATENDIMENTO À NOVA REDAÇÃO DA NR
ENTENDENDO A NR 20
O EMBARGO E INTERDIÇÃO COMO ATRIBUIÇÃO ESPECÍFICA DO AUDITOR FISCAL DO TRABALHO
NR 16: ANEXO 5 (MOTOCICLETA) APROVADO PELO MTE (13/10/2014)
ELETRICIDADE NA NOVA NR-12
A NOVA NR 34 E A GESTÃO DE RISCOS
(NR-15) RUÍDO E APOSENTADORIA ESPECIAL
SECRETÁRIA QUE CRITICOU PORTARIA DO TRABALHO ESCRAVO É EXONERADA
REDUÇÃO DE ACIDENTES É PRIORIDADE DO MTB
MPT E OIT LANÇAM OBSERVATÓRIO DIGITAL DE SST
INCENTIVO DE NOVAS TECNOLOGIAS PARA SEGURANÇA DO TRABALHADOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL
MODERNIZAÇÃO DOS PORTOS IMPACTA NAS CONDIÇÕES DE TRABALHO
AUDITORES-FISCAIS LANÇAM REVISTA CIENTÍFICA SOBRE INSPEÇÃO DO TRABALHO
CONGRESSO ANAMT: MÉDICO DO TRABALHO NAS ORGANIZAÇÕES
MTE ALTERA A AVALIAÇÃO DAS LUVAS CONTRA AGENTES QUÍMICOS
FENATEST QUER A SUSPENSÃO DOS CURSOS TÉCNICOS EM SEGURANÇA DO TRABALHO
TEMER PRETENDE SEPARAR MINISTÉRIO DO TRABALHO E PREVIDÊNCIA SOCIAL EM EVENTUAL GOVERNO
E-SOCIAL: O RAIO-X DA EMPRESA
MINISTÉRIO DO TRABALHO ENCONTRA IRREGULARIDADES NA SAMARCO
DEBATE SOBRE SEGURANÇA NO TRABALHO NAS OLIMPÍADAS
ACUSADO PELA CHACINA, EX-PREFEITO DE UNAÍ VAI A JURI EM BH
PROJETO OBRIGA EMPRESAS A CONTRATAR TSTs
OIT: BRASIL TEM APENAS 1/3 DE AUDITORES DO TRABALHO
XX CONGRESSO MUNDIAL DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO