COMO A CRISE PREJUDICA O PROFISSIONAL DE SST

Quinta, 05 Maio 2016 18:32
Avalie este item
(2 votos)

Até que ponto essa crise prejudica o setor prevencionista?

Realmente a crise prejudica sim o setor de Segurança do Trabalho. Nós tivemos uma redução de 3,8% no poder de compra em nosso país no ano de 2015. Pode parecer pouco mas o problema é que vem se acumulando. Esse foi o pior resultado em 25 anos. Isso mostra que muitas coisas que podíamos comprar, agora não podemos mais.

 


 

E não é só o trabalhador que sente com a crise. As vezes a gente pensa que o empregador tem muito dinheiro mas na verdade, não tem. As empresas também estão em dificuldades e por isso elas investirão menos em Segurança do Trabalho, isso é fato. Por exemplo, a queda na venda de veículos fez as empresas reduzirem a produção em 23% e demitirem quase 15 mil trabalhadores em 2015. Tivemos aumento da inflação, de desemprego, redução de 10% no setor de transporte terrestre... várias empresas estão relatando que esse é o pior ano da história delas.

Na Segurança do Trabalho, é preciso fazer uso de recursos. Não se faz Segurança do Trabalho apenas com vontade, são necessários recursos financeiros. Precisamos conseguir investimentos para nossas ações de Segurança e é aí que o bicho pega.

A crise faz a quantidade de empregos disponíveis diminuir. Segundo o SINTESP, o número de escolas de formação em SST mais do que quadruplicou. E, segundo ainda o SINTESP, hoje nós temos mais profissionais no mercado do que o setor consegue absorver. Sem a crise o mercado já estaria concorrido e com a crise a situação piora, milhares de trabalhadores estão perdendo seu emprego. No ano passado, só as empresas do ramo de veículos demitiram 15.000 trabalhadores. E infelizmente as empresas continuam demitindo.

Um dos setores que estão no topo da lista de corte de gastos, principalmente na crise, é a área de Segurança do Trabalho. E isso acontece pois a maioria das empresas no Brasil não tem uma cultura de Segurança. Infelizmente o empregador vai olhar e dizer que aquele TST não produz nada para a empresa, não faz uma peça, não solda, não cola, não assa biscoito no forno... o empregador não consegue perceber que nós estamos lá para cuidar de quem produz, garantir a segurança do trabalhador da sua empresa. A empresa pode reduzir a quantidade de profissionais em Segurança do Trabalho por 2 itens:

1 - Uma vez reduzindo o quadro de empregados, naturalmente e dependendo do tamanho da redução, ela vai, por força da norma, poder reduzir a quantidade de membros do SESMT.

2 - Por conta da crise ela pode ir diretamente nos profissionais do SESMT e demitir alguns deles ou no caso da empresa que só tem o TST, demiti-lo. E neste caso, a empresa estaria indo contra a legislação pois se ela tem em seu quadro de empregados a quantidade de empregados necessária para ser obrigatório contratar um TST, ela precisa mante-lo independente do fator crise.

Ficou mais difícil conseguir recursos para a área de SST mas não ficou impossível. É claro que cada empresa age de uma forma e não existe uma fórmula que valesse para todas as empresas mas temos algumas premissas básicas para quem precisa buscar investimentos em SST dentro da sua.

O que fazer?

É preciso conseguir convencer o empregador que investir em SST vai diminuir os prejuízos ou gerar lucro para a empresa. Não é uma tarefa simples.

Vou contar uma história pra vocês, real. Um colega lá de Curitiba chegou para a dona da empresa e disse que era preciso montar a CIPA devido ao aumento do número de empregados. Ela recusou de imediato, disse que não queria saber de CIPA pois o sindicato iria querer mandar na empresa, os trabalhadores teriam estabilidade, etc. O colega, que é consultar na área de SST, foi embora. Poucos dias depois ele voltou a procurar a dona da empresa novamente dizendo dessa vez que no lugar dela, montaria 2 CIPAS. A mulher não entendeu nada.

- A CIPA vai diminuir a quantidade de acidentes de trabalho. Por conta disso, serão menos afastamentos, menos gastos com remédios para profissionais acidentados, menos contratação de mão de obra temporária, menos encargos do INSS, menos problemas na justiça e eles também vão trabalhar para evitar as doenças ocupacionais da sua empresa.

A dona da empresa então concordou em montar a CIPA, mas disse cautelosamente para montar apenas 1.

Repare que esse foi um caso que ele mostrou com argumentos que a CIPA é importante para a empresa, coisa que muitas vezes o profissional de SST não faz.

Esse exemplo, até foi um bom exemplo, mas é possível melhorar. Vamos supor que seja necessário colocar uma proteção em uma máquina do setor de açougue. Como vou convencer o empregador a colocar uma proteção ali?

É preciso mostrar exemplos de acidentes reais que já aconteceram, mostrando o impacto que isso causou na empresa. Quantos dias em média um trabalhador que sofre o acidente naquela situação fica afastado. Se ele entra na justiça, quanto em média seria o gasto com essa burocracia. É muito importante o profissional de SST entender que o trabalho dele vai muito além de simplesmente entregar EPI na empresa. Essa é apenas uma das atribuições desse profissional. Ele precisa ir muito além disso, fazer gestão é lidar com números, ter bons argumentos e assim convencer o empregador a investir em Segurança no Trabalho.

Outro exemplo: ruído.

- Nós temos ruído elevado aqui na empresa e precisamos enclausurar um gerador que está causando esse problema.  

É preciso mais do que mostrar quanto o empregador vai pagar de multa pois ele sabe que a fiscalização do MTE é precária. Sabe que dificilmente o auditor vai nas empresas.

Qual argumento que valeria? se estou falando de ruído, estou falando provavelmente de insalubridade. Vamos então somar o valor da insalubridade de todos os trabalhadores que estão trabalhando no ambiente e comparar com o valor que será empregado para fazer o enclausuramento do ruído. Vamos somar os valores de insalubridade e desse impacto na folha de pagamento também, pois sabemos que isso vai causar outros impostos.

Somar também o gasto que ele tem com proteção auditiva, com exames audiométricos, treinamentos para uso de EPI. Viu quantos ítens já levantamos aqui?

Levante todos esses ítens, tudo que isso custa para o empregador e no final das contas a conclusão é que sai bem mais barato enclausurar o gerador do que fornecer proteção auditiva. Esse exemplo vale para todos os segmentos, basta você adaptar.

É possível sim fazer um bom trabalho na área de SST mesmo com a crise. Claro que existirá mais dificuldade mas vida que segue. Não adianta ficar paralisado, é preciso se levantar, fazer a sua parte, o seu melhor. 

 

Nestor W. Neto, TST

Lido 2181 vezes Última modificação em Sexta, 13 Maio 2016 19:51

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Revista NRFACIL

O FIM DA IDEOLOGIA NO COMBATE AO TRABALHO ESCRAVO
TRABALHO ESCRAVO: O QUE É PRECISO SABER PARA CORRIGIR AS BOBAGENS QUE SEU AMIGO DIZ NO BOTECO
(NR-12) ALERTAS PARA MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS
MULHERES MORREM ESMAGADAS POR PRENSA
PRÊMIO PROTEÇÃO BRASIL 2017 DIVULGA SEUS GANHADORES
FOI MESMO UM ACIDENTE?
PGT: TERCEIRIZAÇÃO PODE AUMENTAR ACIDENTES DE TRABALHO
CONTROLADOR DE VELOCIDADE VIA GPS PODE REDUZIR ACIDENTES NAS ESTRADAS
PLATAFORMA AÉREA INADEQUADA PODE CAUSAR ACIDENTES
FALTA BOM SENSO E COERÊNCIA (POR VICTOR COSTA)
FISCAIS IDENTIFICAM TRABALHO IRREGULAR NA VILA OLÍMPICA
ROBÔS JÁ SÃO REALIDADE EM AMBIENTES DE TRABALHO NO SUDESTE ASIÁTICO, APONTA OIT
SERÁ QUE A CULPA É NOSSA?
REFERÊNCIA EM SST, OBRA DE RAMAZZINI ESTÁ DISPONÍVEL PARA DOWNLOAD
PROIBIÇÃO DO USO DE CELULAR NOS CANTEIROS REFORÇA A SST
FUNCIONÁRIO DE USINA MORRE ELETROCUTADO EM TRATOR
DICAS PARA ENTREVISTA DE ESTÁGIO OU PRIMEIRO EMPREGO DO TST
OBRAS NA VILA OLÍMPICA SÃO EMBARGADAS E INTERDITADAS POR FALTA DE SEGURANÇA
COMO A CRISE PREJUDICA O PROFISSIONAL DE SST
OBRAS DA RIO-2016 JÁ MATARAM MAIS TRABALHADORES DO QUE EM TODAS AS OBRAS DA COPA DE 2014
APÓS 45 ANOS, ACIDENTE DE TRABALHO QUE MATOU 69 CONTINUA A FAZER VÍTIMAS
SERÁ QUE ACIDENTE DE TRABALHO É ALGO IMPREVISÍVEL?
FUNCIONÁRIO DA PETROBRÁS MORRE AO CAIR EM TANQUE INTERDITADO, DIZ SINDICATO
ROBÔS QUE TRABALHAM LADO A LADO COM OEPÁRIOS CHEGAM A INDÚSTRIA DO PAÍS
AS ESTATÍSTICAS DE ACIDENTES DO TRABALHO NO BRASIL
SOLICITAÇÃO E ENTREGA DE EPIs
PRECONCEITO CONTRA OS TERCEIRIZADOS PODE CAUSAR ACIDENTES DE TRABALHO
ALERTA DE SEGURANÇA DO MÊS DE ABRIL PARA PRÁTICAS DE TRABALHO SEGURO
O QUE FAZER CASO O DONO DA EMPRESA NÃO USE EPI NA ÁREA DE PRODUÇÃO?
COLABORADOR EM GOZO DE FÉRIAS, NO PERÍODO DE INSCRIÇÃO PARA ELEIÇÃO DA CIPA, PODE SE INSCREVER PARA SER MEMBRO?
NO ESPAÇO CONFINADO ALÉM DA NR 33, TEMOS QUE SEGUIR A NR 35 ONDE HÁ O RISCO DE QUEDA A MAIS DE 2M DE ALTURA?
ACIDENTE DE TRAJETO CRESCE, PREJUDICANDO EMPREGADO E PREVIDÊNCIA
AS 10 PROFISSÕES MAIS MORTAIS DOS ESTADOS UNIDOS
ACIDENTE EM ELETRICIDADE
PREJUIZOS E RISCOS EM ARMAZENAGEM FORA DE PADRÕES
AUMENTAM OS ACIDENTES E DIMINUEM OS AUDITORES FISCAIS
PERICULOSIDADE:­ INTERMITENCIA
PROTEÇÃO NO TRABALHO INFORMAL
REVISTA NRFACIL EDIÇÃO ESPECIAL: CONGRESSO MUNDIAL EM SST NA ALEMANHA
O BOM TRABALHO
ENTREVISTA: LAUDOS E PERÍCIAS EM SST
UM NOVO DESAFIO PARA O SESMT: A INTERAÇÃO HOMEM X ROBÔS
UMA ABORDAGEM SOBRE PERÍCIA TRABALHISTA!
EXISTIRIA UMA PROPENSÃO PARA ACIDENTES?
RELATÓRIO DE ATIVIDADES
DURABILIDADE DE EPIS
POLÍCIA E ACIDENTES DE TRABALHO
AVALIAÇÃO DE CABOS DE AÇO
CIPA X DESIGNADOS
STF JULGA FUTURO DO AMIANTO, QUE ESTÁ NA MAIORIA NOS TELHADOS DO PAÍS
A LINGUAGEM QUE ESTÁ NO RÓTULO DO AGROTÓXICO É INACESSÍVEL PARA O AGRICULTOR
'ATENÇÃO, CONTÉM AMIANTO': STF JULGA FUTURO DA POLEMICA FIBRA, COMUM EM TELHADOS NO BRASIL
DESENVOLVER DOENÇA OCUPACIONAL GERA INDENIZAÇÃO, MESMO SE HOUVER CURA
CÂMARA DE SP APROVA BANIMENTO DE 14 AGROTÓXICOS
JULGAMENTO NO STF SOBRE USO DO AMIANTO AMEAÇA TRABALHADOR
ESTRESSE É UM DOS FATORES QUE MAIS CAUSA AFASTAMENTO E FALTA
TRABALHADORES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CONTAM COM GRUPO DE APOIO DO SECONCI-SP PARA DEPENDENTES QUÍMICOS EM SÃO PAULO
REPRESENTANTES DO ESTADO BRASILEIRO ALERTAM PARA TENTATIVAS DE ESVAZIAMENTO DO CONCEITO DE TRABALHO ESCRAVO
PARÁ LIDERA O RANKING REGIONAL DE TRABALHO INFANTIL
PESQUISA MOSTRA COMO A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO DOS JORNALISTAS CAUSA SOFRIMENTO E PRAZER
MPT RECOMENDA QUE VEREADORES NÃO APROVEM USO DO AMIANTO
CUIDADOS ESSENCIAIS PARA QUEM FICA MUITO TEMPO SENTADO
MINISTÉRIO DO TRABALHO RECEBE PROPOSTAS SOBRE EXAME TOXICOLÓGICO EM MOTORISTAS PROFISSIONAIS
COMISSÃO DEBATERÁ PROJETO QUE REGULAMENTA NORMAS SOBRE MEIO AMBIENTE DO TRABALHO
MOTORISTA DE AMBULÂNCIA DEVERÁ RECEBER INSALUBRIDADE
LEI PROÍBE TRABALHO DE GESTANTES EM ATIVIDADES PERIGOSAS
TRANSTORNOS MENTAIS ATINGIRAM MAIS DE 200 MIL PESSOAS NO BRASIL
MTE REGULAMENTA EXPOSIÇÃO AO FUMO
TST: ADICIONAIS DE INSALUBRIDADE E PERICULOSIDADE SE ACUMULAM
PORTARIA DIVULGA LISTA DE SUBSTÂNCIAS CANCERÍGENAS PARA HUMANOS
SUSTENTABILIDADE EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO
DISTÚRBIOS MENTAIS EM TRABALHADORES DE TURNOS ALTERNANTES
ENTENDENDO AS NECESSIDADES DA PRÓXIMA GERAÇÃO DE TRABALHADORES
DOENÇAS NO TRABALHO
PERÍCIA MÉDICA
DISPENSA E REINTEGRAÇÃO
ATESTADOS MÉDICOS
CONFLITO INSS X ASO
ESQUIZOFRENIA É DOENÇA OCUPACIONAL?
RISCOS "VERDES"?
CONFEDERAÇÃO DA INDÚSTRIA DEFENDE PORTARIA SOBRE TRABALHO ESCRAVO
PORTARIA SOBRE TRABALHO ESCRAVO PODE SOFRER ALTERAÇÕES, DIZ TEMER
SENADORA KÁTIA ABREU DETONA A NR-31
MPT E MPF PEDEM REVOGAÇÃO DE PORTARIA
QUEREM SUSTAR A NR-12: VOCÊ VAI DEIXAR?
SUPREMO DECIDIRÁ EFEITOS DA NOVA LEI DE TERCEIRIZAÇÃO EM SÚMILA DO TST
AS PERÍCIAS E OS PERITOS NA ATUALIDADE
GOVERNO DEFENDE SEPARAÇÃO ENTRE PREVIDÊNCIA E SEGURANÇA DO TRABALHO
CONSULTA PÚBLICA: NR REFERENTE ÀS ATIVIDADES DE LIMPEZA URBANA
EMPRESAS PAGARÃO R$1 MI POR FALTA DE SEGURANÇA DO TRABALHO
SENADO FEDERAL REALIZA CONSULTA SOBRE APLICAÇÃO DA NR-12
REFORMA TRABALHISTA PREVÊ NEGOCIAÇÃO DE FÉRIAS E 13º SALÁRIO
MTE DISPONIBILIZA REGISTRO DO SESMT PELA INTERNET
PRORROGADA CONSULTA PÚBLICA PARA NORMA DE PERICULOSIDADE EM ATIVIDADES DE MOTOCICLETA
MTPS DISPONIBILIZA DADOS SOBRE ACIDENTES DO TRABALHO POR CNPJ
RESOLUÇÃO DO CONTRAN PROÍBE USO DE CORDAS PARA AMARRAR CARGAS
REGISTRO DO TÉCNICO DE SEGURANÇA SERÁ FEITO EM CARTÃO
REVOGAÇÃO DA NR-12 PEDE URGÊNCIA E TERÁ DEBATE
CÁLCULO DO FAP SERÁ POR ESTABELECIMENTO
AÉREAS TEMEM ALTA DE CUSTO TRABALHISTA
COMO TRATAR A GARANTIA DE EMPREGO ADQUIRIDA PELOS CIPEIROS?
NR 12 - O ATENDIMENTO À NOVA REDAÇÃO DA NR
ENTENDENDO A NR 20
O EMBARGO E INTERDIÇÃO COMO ATRIBUIÇÃO ESPECÍFICA DO AUDITOR FISCAL DO TRABALHO
NR 16: ANEXO 5 (MOTOCICLETA) APROVADO PELO MTE (13/10/2014)
ELETRICIDADE NA NOVA NR-12
A NOVA NR 34 E A GESTÃO DE RISCOS
(NR-15) RUÍDO E APOSENTADORIA ESPECIAL
SECRETÁRIA QUE CRITICOU PORTARIA DO TRABALHO ESCRAVO É EXONERADA
REDUÇÃO DE ACIDENTES É PRIORIDADE DO MTB
MPT E OIT LANÇAM OBSERVATÓRIO DIGITAL DE SST
INCENTIVO DE NOVAS TECNOLOGIAS PARA SEGURANÇA DO TRABALHADOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL
MODERNIZAÇÃO DOS PORTOS IMPACTA NAS CONDIÇÕES DE TRABALHO
AUDITORES-FISCAIS LANÇAM REVISTA CIENTÍFICA SOBRE INSPEÇÃO DO TRABALHO
CONGRESSO ANAMT: MÉDICO DO TRABALHO NAS ORGANIZAÇÕES
MTE ALTERA A AVALIAÇÃO DAS LUVAS CONTRA AGENTES QUÍMICOS
FENATEST QUER A SUSPENSÃO DOS CURSOS TÉCNICOS EM SEGURANÇA DO TRABALHO
TEMER PRETENDE SEPARAR MINISTÉRIO DO TRABALHO E PREVIDÊNCIA SOCIAL EM EVENTUAL GOVERNO
E-SOCIAL: O RAIO-X DA EMPRESA
MINISTÉRIO DO TRABALHO ENCONTRA IRREGULARIDADES NA SAMARCO
DEBATE SOBRE SEGURANÇA NO TRABALHO NAS OLIMPÍADAS
ACUSADO PELA CHACINA, EX-PREFEITO DE UNAÍ VAI A JURI EM BH
PROJETO OBRIGA EMPRESAS A CONTRATAR TSTs
OIT: BRASIL TEM APENAS 1/3 DE AUDITORES DO TRABALHO
XX CONGRESSO MUNDIAL DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO