TRABALHO ESCRAVO: O QUE É PRECISO SABER PARA CORRIGIR AS BOBAGENS QUE SEU AMIGO DIZ NO BOTECO

Terça, 24 Outubro 2017 06:39
Avalie este item
(1 Votar)



Norma Regulamentadora do trabalho rural, a NR-31, tem 252 itens; já houve autuação por “trabalho análogo à escravidão” porque faltava escadinha em um beliche.

Por: Reinaldo Azevedo

 

Isso é um quarto de hotel. A depender do humor do fiscal, dada a
NR-31, pode ser uma senzala: beliches não estão a um metro de distância

Os sites noticiosos, lotados de moças e moços com hormônios e neurônios em ebulição, têm certeza de que a Portaria 1.129, que regula as condições para a concessão de seguro-desemprego a quem foi vítima de trabalho degradante, é uma tramoia ruralista. Vocês sabem: os ruralistas são essa gente malvada que, além de querer destruir a natureza, ainda gosta de explorar trabalho escravo. Ai, ai… É a chamada conspiração da ignorância a unir ministros, artistas e jornalistas a favor do bem, do belo e do justo…

A Constituição brasileira, no artigo 243, já previa a expropriação de terras — e as torna disponíveis para a reforma agrária — em que se encontrem “culturas ilegais de plantas psicotrópicas”. A partir da Emenda Constitucional nª 81, de 2014, estão sujeitas ao mesmo destino as propriedades que abrigarem trabalho escravo. Se for propriedade urbana, ela será destina à habitação popular.

Os simples de espírito, que ainda não entenderam como toca a música, hão de indagar: “Mas o que há de errado nisso, Reinaldo? Então seria aceitável a existência de trabalho escravo ou análogo à escravidão? Isso não é mesmo certo?” Pois é… Vocês me permitem uma imagem de cunho originalmente religioso, mas metáfora perfeita para o que vivemos? O diabo, além de se esconder nos detalhes, também costuma exibir uma face de anjo. Imaginem se ele tentasse conquistar almas com a sua carranca e seu cheiro de enxofre… Ninguém cairia no conto, não é?

Vamos ver

Antes da Portaria 1.129, quem define, num primeiro momento, o que é e o que não é “trabalho escravo”? Os fiscais do Ministério do Trabalho! Como a escravidão, em sentido estrito, é ocorrência raríssima, existe a tal situação de “trabalho análogo à escravidão”. E é aí que tudo passa a ser possível. As atividades profissionais e obrigações das empresas são regulamentadas por normas do Ministério do Trabalho.

O que a militância de esquerda e parte considerável do jornalismo esconde é que o trabalho rural, por exemplo, está regulamento pela Norma Regulamentadora nº 31 (íntegra da NR-31), que traz o seguinte nome: “SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO NA AGRICULTURA, PECUÁRIA SILVICULTURA, EXPLORAÇÃO FLORESTAL E AQUICULTURA”. Ela estabelece, prestem atenção!, DUZENTAS E CINQUENTA E DUAS EXIGÊNCIAS para se contratar um trabalhador rural. Pequeno ou médio proprietário que tiver juízo não deve contratar é ninguém. O risco de se lascar mesmo numa prestação temporária de serviços é gigantesco! NOTEM QUE ESTOU TORNANDO PÚBLICA A NORMA, EM VEZ DE ESCONDÊ-LA.

Se um empregado é contratado para trabalhar numa roça de café, por exemplo, e, por alguma razão, o dono da propriedade o transfere para cuidar do jardim e do gramado da sede da fazenda, isso só pode ser feito mediante exame médico aprovando a sua aptidão para o novo trabalho. Se não o fizer… A depender do humor do fiscal, o descumprimento de qualquer uma das 252 exigências pode render uma infração de “trabalho análogo à escravidão. E o proprietário rural está lascado. Entra na lista negra do crédito, expõe-se ao pedido de abertura de inquérito pelo Ministério Público etc. Dada a redação do Artigo 243 a partir de 2014, pode até perder a propriedade.

Querem ver o que diz o gigantesco texto sobre o alojamento dos trabalhadores?

 

Seria eu contrário a essas condições? Eu não!!! Aliás, se o caso é discutir “condições”, sou favorável a bem mais do que isso, incluindo uma máquina de café e uma dose de Royal Salute ao cair da tarde. Não estou fazendo blague. Estou apenas dizendo o óbvio: quanto melhor, melhor.

Ocorre, insisto, que o descumprimento de qualquer uma dessas dez exigências — ou de qualquer uma das 251 outras — pode render uma acusação de trabalho análogo à escravidão. Fica por conta apenas do “bom senso” do fiscal. E vocês sabem como essa história de bom senso pode povoar o inferno.

Quando a emenda foi aprovada, em 2014, escrevi: “Sem uma especificação clara do que, afinal de contas, caracteriza ‘trabalho escravo ou análogo à escravidão’, criando alguma instância que não transforme um fiscal do trabalho num agente de uma cadeia de confisco de propriedade, o que se está fazendo, na verdade, é recorrer a belas palavras como um truque para relativizar o direito à propriedade.”

Escrevi ainda mais: “Existem meliantes que exploram o trabalho de miseráveis no campo e nas cidades? Existem! Têm de ser punidos? Têm, sim! Mas é preciso criar, então, uma lei segura, que estabeleça com rigor as condições em que se vai fazer a fiscalização e aplicar a punição. Como está, a PEC dá carta branca para o arbítrio e o subjetivismo.”

Tentei saber quantos hectares foram desapropriados desde a promulgação da Constituição, em 1988, sob a acusação de abrigarem plantas psicotrópicas. Não consegui informações seguras a respeito. Sabem por que não? PORQUE O ESTADO BRASILEIRO ESTÁ DESAPARELHADO PARA COMBATER AS VÁRIAS ETAPAS DO NARCOTRÁFICO.

Enviar, no entanto, um fiscal do trabalho para uma propriedade rural qualquer e encontrar lá o descumprimento de algumas das 252 exigências é coisa mais fácil, mais segura, mais barata. É preciso saber se a gente vai ter um dispositivo constitucional para punir, de fato, os canalhas que exploram o trabalho “análogo à escravidão” ou uma desculpa a mais para ficar aterrorizando o produtor rural. A plantação de maconha no país não foi minimamente abalada pelo Artigo 243 da Constituição — até porque boa parte da maconha plantada no Brasil está, pasmem!, em áreas públicas. Não dá para desapropriar…

A Portaria 1.129 deveria ter sido baixada já em 2014, quando a Constituição foi alterada. A propósito: o presidente Michel Temer disse que o texto será alterado para abrigar sugestões da procuradora-geral, Raquel Dodge. Basicamente, vai se dar mais espaço ao trabalho da Polícia Federal. Não vejo mal nenhum, desde que não se deixe ao arbítrio de um fiscal do trabalho a decisão sobre o direito de propriedade porque os beliches estão a 95 cm de distância, não a um metro.

Para encerrar. Saibam: já se fez autuação por “trabalho análogo à escravidão” porque, em um alojamento, havia uma lâmpada queimada, e a escadinha de um dos beliches estava quebrada.

A nova portaria torna mais rigorosa a punição com os que praticam irregularidades. E protege o direito de propriedade da sanha militante de alguns celerados.

Lido 630 vezes Última modificação em Quarta, 01 Novembro 2017 15:46

5 comentários

  • Link do comentário Vanderli C. Segunda, 06 Novembro 2017 16:44 postado por Vanderli C.

    Como no Brasil é proibido trabalhar e empreender livremente, sendo obrigado seguir as regras impostas pelo governo e patrulhado pelos bons samaritanos, então vivemos sob o signo da escravidão.

  • Link do comentário corajoso Quarta, 01 Novembro 2017 15:42 postado por corajoso

    como faço para receber as notícias por email?

    corajoso@uol.com.br

  • Link do comentário André Formentera Quarta, 01 Novembro 2017 12:26 postado por André Formentera

    boa tarde! gostaria de participar do grupo de vocês e receber as matérias por email

    andrelins444@construplan.com
    (11) 98734 - 2232

    obrigado

  • Link do comentário Edson Santos Terça, 31 Outubro 2017 21:14 postado por Edson Santos

    Porque ao invés criticar ou apontar o dedo para o fiscal corrupto, não fiscalizamos e impomos sanções aos que descumprem a metodologia para o auto de infração? O que o fiscal aponta como conduta incorreta co empregador não é uma verdade absoluta, cabe recurso ao órgão e a justiça do trabalho. Quando o pseudo-jornalista diz que foram autuados ruralistas por falta de escada, assim como o vice que concedeu uma entrevista mostrando apenas o que lhe convém, mentem os dois pois para se chegar a uma situação análoga a escravidão são vários os indícios que juntos se chega a um consenso e na autuação são individualizadas as irregularidades, malandramente se mostra o que é conveniente mostrar. Pelo menos em uma coisa poderia servir este decreto, para que ruralistas não matassem fiscais, como ocorreu em Unai, diga-se de passagem, ninguém foi acautelado por este crime até o presente momento.

  • Link do comentário Carlos_Magin Terça, 31 Outubro 2017 18:46 postado por Carlos_Magin

    essa portaria é uma porcaria, não tem condições de defender isso dai... 252 exigências a serem cumpridas na contratação do empregado rural se o empregador tiver juízo, ele não contrata ninguém

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Revista NRFACIL

O FIM DA IDEOLOGIA NO COMBATE AO TRABALHO ESCRAVO
TRABALHO ESCRAVO: O QUE É PRECISO SABER PARA CORRIGIR AS BOBAGENS QUE SEU AMIGO DIZ NO BOTECO
(NR-12) ALERTAS PARA MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS
MULHERES MORREM ESMAGADAS POR PRENSA
PRÊMIO PROTEÇÃO BRASIL 2017 DIVULGA SEUS GANHADORES
FOI MESMO UM ACIDENTE?
PGT: TERCEIRIZAÇÃO PODE AUMENTAR ACIDENTES DE TRABALHO
CONTROLADOR DE VELOCIDADE VIA GPS PODE REDUZIR ACIDENTES NAS ESTRADAS
PLATAFORMA AÉREA INADEQUADA PODE CAUSAR ACIDENTES
FALTA BOM SENSO E COERÊNCIA (POR VICTOR COSTA)
FISCAIS IDENTIFICAM TRABALHO IRREGULAR NA VILA OLÍMPICA
ROBÔS JÁ SÃO REALIDADE EM AMBIENTES DE TRABALHO NO SUDESTE ASIÁTICO, APONTA OIT
SERÁ QUE A CULPA É NOSSA?
REFERÊNCIA EM SST, OBRA DE RAMAZZINI ESTÁ DISPONÍVEL PARA DOWNLOAD
PROIBIÇÃO DO USO DE CELULAR NOS CANTEIROS REFORÇA A SST
FUNCIONÁRIO DE USINA MORRE ELETROCUTADO EM TRATOR
DICAS PARA ENTREVISTA DE ESTÁGIO OU PRIMEIRO EMPREGO DO TST
OBRAS NA VILA OLÍMPICA SÃO EMBARGADAS E INTERDITADAS POR FALTA DE SEGURANÇA
COMO A CRISE PREJUDICA O PROFISSIONAL DE SST
OBRAS DA RIO-2016 JÁ MATARAM MAIS TRABALHADORES DO QUE EM TODAS AS OBRAS DA COPA DE 2014
APÓS 45 ANOS, ACIDENTE DE TRABALHO QUE MATOU 69 CONTINUA A FAZER VÍTIMAS
SERÁ QUE ACIDENTE DE TRABALHO É ALGO IMPREVISÍVEL?
FUNCIONÁRIO DA PETROBRÁS MORRE AO CAIR EM TANQUE INTERDITADO, DIZ SINDICATO
ROBÔS QUE TRABALHAM LADO A LADO COM OEPÁRIOS CHEGAM A INDÚSTRIA DO PAÍS
AS ESTATÍSTICAS DE ACIDENTES DO TRABALHO NO BRASIL
SOLICITAÇÃO E ENTREGA DE EPIs
PRECONCEITO CONTRA OS TERCEIRIZADOS PODE CAUSAR ACIDENTES DE TRABALHO
ALERTA DE SEGURANÇA DO MÊS DE ABRIL PARA PRÁTICAS DE TRABALHO SEGURO
O QUE FAZER CASO O DONO DA EMPRESA NÃO USE EPI NA ÁREA DE PRODUÇÃO?
COLABORADOR EM GOZO DE FÉRIAS, NO PERÍODO DE INSCRIÇÃO PARA ELEIÇÃO DA CIPA, PODE SE INSCREVER PARA SER MEMBRO?
NO ESPAÇO CONFINADO ALÉM DA NR 33, TEMOS QUE SEGUIR A NR 35 ONDE HÁ O RISCO DE QUEDA A MAIS DE 2M DE ALTURA?
ACIDENTE DE TRAJETO CRESCE, PREJUDICANDO EMPREGADO E PREVIDÊNCIA
AS 10 PROFISSÕES MAIS MORTAIS DOS ESTADOS UNIDOS
ACIDENTE EM ELETRICIDADE
PREJUIZOS E RISCOS EM ARMAZENAGEM FORA DE PADRÕES
AUMENTAM OS ACIDENTES E DIMINUEM OS AUDITORES FISCAIS
PERICULOSIDADE:­ INTERMITENCIA
PROTEÇÃO NO TRABALHO INFORMAL
REVISTA NRFACIL EDIÇÃO ESPECIAL: CONGRESSO MUNDIAL EM SST NA ALEMANHA
O BOM TRABALHO
ENTREVISTA: LAUDOS E PERÍCIAS EM SST
UM NOVO DESAFIO PARA O SESMT: A INTERAÇÃO HOMEM X ROBÔS
UMA ABORDAGEM SOBRE PERÍCIA TRABALHISTA!
EXISTIRIA UMA PROPENSÃO PARA ACIDENTES?
RELATÓRIO DE ATIVIDADES
DURABILIDADE DE EPIS
POLÍCIA E ACIDENTES DE TRABALHO
AVALIAÇÃO DE CABOS DE AÇO
CIPA X DESIGNADOS
STF JULGA FUTURO DO AMIANTO, QUE ESTÁ NA MAIORIA NOS TELHADOS DO PAÍS
A LINGUAGEM QUE ESTÁ NO RÓTULO DO AGROTÓXICO É INACESSÍVEL PARA O AGRICULTOR
'ATENÇÃO, CONTÉM AMIANTO': STF JULGA FUTURO DA POLEMICA FIBRA, COMUM EM TELHADOS NO BRASIL
DESENVOLVER DOENÇA OCUPACIONAL GERA INDENIZAÇÃO, MESMO SE HOUVER CURA
CÂMARA DE SP APROVA BANIMENTO DE 14 AGROTÓXICOS
JULGAMENTO NO STF SOBRE USO DO AMIANTO AMEAÇA TRABALHADOR
ESTRESSE É UM DOS FATORES QUE MAIS CAUSA AFASTAMENTO E FALTA
TRABALHADORES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CONTAM COM GRUPO DE APOIO DO SECONCI-SP PARA DEPENDENTES QUÍMICOS EM SÃO PAULO
REPRESENTANTES DO ESTADO BRASILEIRO ALERTAM PARA TENTATIVAS DE ESVAZIAMENTO DO CONCEITO DE TRABALHO ESCRAVO
PARÁ LIDERA O RANKING REGIONAL DE TRABALHO INFANTIL
PESQUISA MOSTRA COMO A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO DOS JORNALISTAS CAUSA SOFRIMENTO E PRAZER
MPT RECOMENDA QUE VEREADORES NÃO APROVEM USO DO AMIANTO
CUIDADOS ESSENCIAIS PARA QUEM FICA MUITO TEMPO SENTADO
MINISTÉRIO DO TRABALHO RECEBE PROPOSTAS SOBRE EXAME TOXICOLÓGICO EM MOTORISTAS PROFISSIONAIS
COMISSÃO DEBATERÁ PROJETO QUE REGULAMENTA NORMAS SOBRE MEIO AMBIENTE DO TRABALHO
MOTORISTA DE AMBULÂNCIA DEVERÁ RECEBER INSALUBRIDADE
LEI PROÍBE TRABALHO DE GESTANTES EM ATIVIDADES PERIGOSAS
TRANSTORNOS MENTAIS ATINGIRAM MAIS DE 200 MIL PESSOAS NO BRASIL
MTE REGULAMENTA EXPOSIÇÃO AO FUMO
TST: ADICIONAIS DE INSALUBRIDADE E PERICULOSIDADE SE ACUMULAM
PORTARIA DIVULGA LISTA DE SUBSTÂNCIAS CANCERÍGENAS PARA HUMANOS
SUSTENTABILIDADE EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO
DISTÚRBIOS MENTAIS EM TRABALHADORES DE TURNOS ALTERNANTES
ENTENDENDO AS NECESSIDADES DA PRÓXIMA GERAÇÃO DE TRABALHADORES
DOENÇAS NO TRABALHO
PERÍCIA MÉDICA
DISPENSA E REINTEGRAÇÃO
ATESTADOS MÉDICOS
CONFLITO INSS X ASO
ESQUIZOFRENIA É DOENÇA OCUPACIONAL?
RISCOS "VERDES"?
CONFEDERAÇÃO DA INDÚSTRIA DEFENDE PORTARIA SOBRE TRABALHO ESCRAVO
PORTARIA SOBRE TRABALHO ESCRAVO PODE SOFRER ALTERAÇÕES, DIZ TEMER
SENADORA KÁTIA ABREU DETONA A NR-31
MPT E MPF PEDEM REVOGAÇÃO DE PORTARIA
QUEREM SUSTAR A NR-12: VOCÊ VAI DEIXAR?
SUPREMO DECIDIRÁ EFEITOS DA NOVA LEI DE TERCEIRIZAÇÃO EM SÚMILA DO TST
AS PERÍCIAS E OS PERITOS NA ATUALIDADE
GOVERNO DEFENDE SEPARAÇÃO ENTRE PREVIDÊNCIA E SEGURANÇA DO TRABALHO
CONSULTA PÚBLICA: NR REFERENTE ÀS ATIVIDADES DE LIMPEZA URBANA
EMPRESAS PAGARÃO R$1 MI POR FALTA DE SEGURANÇA DO TRABALHO
SENADO FEDERAL REALIZA CONSULTA SOBRE APLICAÇÃO DA NR-12
REFORMA TRABALHISTA PREVÊ NEGOCIAÇÃO DE FÉRIAS E 13º SALÁRIO
MTE DISPONIBILIZA REGISTRO DO SESMT PELA INTERNET
PRORROGADA CONSULTA PÚBLICA PARA NORMA DE PERICULOSIDADE EM ATIVIDADES DE MOTOCICLETA
MTPS DISPONIBILIZA DADOS SOBRE ACIDENTES DO TRABALHO POR CNPJ
RESOLUÇÃO DO CONTRAN PROÍBE USO DE CORDAS PARA AMARRAR CARGAS
REGISTRO DO TÉCNICO DE SEGURANÇA SERÁ FEITO EM CARTÃO
REVOGAÇÃO DA NR-12 PEDE URGÊNCIA E TERÁ DEBATE
CÁLCULO DO FAP SERÁ POR ESTABELECIMENTO
AÉREAS TEMEM ALTA DE CUSTO TRABALHISTA
COMO TRATAR A GARANTIA DE EMPREGO ADQUIRIDA PELOS CIPEIROS?
NR 12 - O ATENDIMENTO À NOVA REDAÇÃO DA NR
ENTENDENDO A NR 20
O EMBARGO E INTERDIÇÃO COMO ATRIBUIÇÃO ESPECÍFICA DO AUDITOR FISCAL DO TRABALHO
NR 16: ANEXO 5 (MOTOCICLETA) APROVADO PELO MTE (13/10/2014)
ELETRICIDADE NA NOVA NR-12
A NOVA NR 34 E A GESTÃO DE RISCOS
(NR-15) RUÍDO E APOSENTADORIA ESPECIAL
SECRETÁRIA QUE CRITICOU PORTARIA DO TRABALHO ESCRAVO É EXONERADA
REDUÇÃO DE ACIDENTES É PRIORIDADE DO MTB
MPT E OIT LANÇAM OBSERVATÓRIO DIGITAL DE SST
INCENTIVO DE NOVAS TECNOLOGIAS PARA SEGURANÇA DO TRABALHADOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL
MODERNIZAÇÃO DOS PORTOS IMPACTA NAS CONDIÇÕES DE TRABALHO
AUDITORES-FISCAIS LANÇAM REVISTA CIENTÍFICA SOBRE INSPEÇÃO DO TRABALHO
CONGRESSO ANAMT: MÉDICO DO TRABALHO NAS ORGANIZAÇÕES
MTE ALTERA A AVALIAÇÃO DAS LUVAS CONTRA AGENTES QUÍMICOS
FENATEST QUER A SUSPENSÃO DOS CURSOS TÉCNICOS EM SEGURANÇA DO TRABALHO
TEMER PRETENDE SEPARAR MINISTÉRIO DO TRABALHO E PREVIDÊNCIA SOCIAL EM EVENTUAL GOVERNO
E-SOCIAL: O RAIO-X DA EMPRESA
MINISTÉRIO DO TRABALHO ENCONTRA IRREGULARIDADES NA SAMARCO
DEBATE SOBRE SEGURANÇA NO TRABALHO NAS OLIMPÍADAS
ACUSADO PELA CHACINA, EX-PREFEITO DE UNAÍ VAI A JURI EM BH
PROJETO OBRIGA EMPRESAS A CONTRATAR TSTs
OIT: BRASIL TEM APENAS 1/3 DE AUDITORES DO TRABALHO
XX CONGRESSO MUNDIAL DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO