EXISTIRIA UMA PROPENSÃO PARA ACIDENTES?

Sábado, 19 Abril 2014 14:09
Avalie este item
(0 votos)

EXISTIRIA UMA PROPENSÃO PARA ACIDENTES?

 

download

 

 

Reproduzimos um artigo de Robert Pater (RP) publicado no site OHS on line. O autor é especialista em gerenciamento de segurança e procuramos traduzir o artigo  no formato de uma entrevista, de forma a tornar cada bloco de idéias mais claro para os nossos leitores. As perguntas foram formuladas pelo NRFACIL em cima das respostas do autor do artigo. Trata-se de reflexões sobre um problema que ocorre em alguns ambientes de trabalho: alguns empregados tendem a causar mais problemas, repetirem incidentes que acabam levando tambem a lesões repetidas.  Será que você conhece algum trabalhador assim?

 

NRFACIL – Porque “Propensão a acidentes” ?

Robert Pater – Essa é uma discussão que vive se repetindo. Se você já andou por diversos ambientes de trabalho, você provavelmente já ouviu variações sobre essa discussão: “existiriam pessoas que são tão estabanadas, sem cuidado, sem coordenação, que vivem se acidentando no trabalho? E o que se poderia fazer pra esse pessoal? Que tipo de disciplina deve ser usada com esses “voadores”?

 

NRFACIL – Qual a sua experiência nessa área?

Robert Pater - Eu já trabalhei com várias empresas desenvolvendo intervenções a respeito de “repetidores de acidente” com relatórios de avanços positivos (mais de 80% de reduções na antecipação de acidentes daqueles previamente identificados como “repetidores”). E eu venho publicando artigos sobre esse tópico desde 1996. É claro que isso não me torna um sabe-tudo apenas eu me dedico a isso há algum tempo.

 

NRFACIL – Como se deve lidar com o problema?

Robert Pater - Em primeiro lugar é preciso selecionar algumas regras de percepção do problema. Por onde você olha e consequentemente por onde você não olha, vai determinar o que você faz. Tem um ditado que diz: se tudo o que você tem é apenas um martelo, o mundo parece que está cheio de pontas. Ou seja, você fica querendo usar sempre a mesma ferramenta e que todos os problemas vão se resolver com marteladas. Eu tenho observado  que esse foco excessivo em alguns indivíduos com “tendencia a acidente”, desequilíbrios, ou tolerante a risco, está baseado numa convicção de que essa repetição consiste predominantemente ou quase inteiramente em um prolema pessoal, mais do que um problema do sistema. Mas isto não é o que eu encontrei trabalhando em diversas empresas e desenvolvendo relatórios detalhados de tentativas de intervenção baseados nessa premisa mas que ou morrem ou o tiro sai pela culatra. A tendencia é desconsiderar a possibilidade de que há um problema sistêmico e não individual.

 

images (4)

 

NRFACIL – Geralmente o pessoal da Segurança costuma achar que esse tipo de problema está relacionado a falhas do trabalhador e a uma tendência de que ele sempre acaba se distraindo.

Robert Pater  - É a mentalidade que leva a ação. Assim, aqueles que consideraram que múltiplos incidentes são causados por uma falhas/problemas pessoais/dificuldades por causa de um “repetidor de acidentes” acaba para uma atitude repetitiva de culpar, envergonhar e assim jogar a culpa nos trabalhadores. Ou seja, alguns líderes botam logo pra fora o martelo quando confrontado com uma frustrante série de lesões repetidas que acabam levando a performance da segurança pra baixo. Será que recorrer a punição é porque esses supervisores de segurança não sabem o que fazer mais? Ou eles mesmos não teriam a autodisciplina para controlar sua própria frustração?

 

NRFACIL – E como deve ser o foco desse problema para o supervisor? 

Robert Pater - Os verdadeiros problemas são: 1) esse tipo de supervisores não está vendo o que realmente está acontecendo e assim estão aplicando o equivalente a usar um extintor de incêndio para combater um vírus, ou 2) suas soluções são frustradas pela experiência; ou 3) eles pensam que nada podem fazer e assim não tentam entender a repetitividade.

images (6)NRFACIL – Então não existe aquele trabalhador propenso a acidente? 

Robert Pater  - Não resta dúvida de que existem alguns trabalhadores que podem inicialmente ter menos coordenação e mais “distrações” com problemas familiares ou fora do trabalho e assim são menos efetivos do que outros em lidar com stress, etc. Mas esses representam um tipo de “repetidores”. Existem tambem alguns que levam a sério a política de segurança da empresa e notificam cada incidente que acontece; existem aqueles trabalhadores que tiveram uma má assistencia com uma lesão que nunca realmente se curou que os leva a problemas relacionados a essa lesão (por exemplo, problemas no joelho podem transferir força extra para a coluna). Por outro lado, eu observei alguns repetidores que eram altamente dedicados e algumas vezes trabalhavam demais e assim se expunham a riscos maiores. E muito mais.

 

NRFACIL – Quais os fatores que contribuiriam para a repetição?

Robert Pater  - Existem diversos fatores que contribuem para a repetição, nos quais problemas pessoais de empregados são muito poucos. Assim, claro, empregados são geralmente parte do problema. Mas isto é diferente rotulá-los como o problema. Minha experiencia é que líderes efetivos não vêem só as árvores, eles vêem a floresta dentro da empresa, mas isso não é fácil para a maioria. Por exemplo, um supervisor de segurança recentemente perguntou-me o que fazer com trabalhadores que tem apresentando repetidas lesões relacionadas à não utilização da proteção contra quedas. Aqui eu sugiro considerar as seguintes questões: “existe uma associação de mensagens, avisos, sinalização ou uma cultura não verbal de expectativas de forma que os trabalhadores não tenham que se apressar demais, não empregar um tempo extra só pra deixar o trabalho concluído? Será que os trabalhadores foram treinados para usar o EPI de acordo com o que eles entendem e que possa ser facilmente aplicado? Teriam os supervisores reforçado de forma consistente e constante sobre o uso do EPI? Alguem levou em consideração a percepção dos trabalhadores a respeito do valor, conforto e praticidade do seu uso? Será que outros trabalhadores passam a desobedecer regras de segurança quando a carga de trabalho se torna pesada mas eles continuam a fazer o trabalho sem reclamação querendo terminar de qualquer jeito? E muito mais.

 

NRFACIL – Disciplina e Punição são medidas adequadas?

Robert Pater  - Eu concordo totalmente que a disciplina é critica em relação a gerenciamento e liderança. Entretanto, quando não se consegue o que se quer, a solução mas comum para muitos supervisores fracos é igualar disciplina com punição. Mas disciplina literalmente tambem significa um campo de estudo, implicando em um aprendizado estruturado (assim como um discípulo aprende com o seu mestre). E mais ainda, avaliar pode geralmente tambem levar a uma atitude tipo: “eu posso ser avaliado, sou disciplinado e você não”. É preciso ir além da punição para aprender e consolidar o aprendizado para uma performance desejada.

 

NRFACIL – O medo da punição não levaria uma maior atenção e cuidado?

Robert Pater – A tentativa de provocar medo em outros sob o pretexto de ajustar um comportamento é no mínimo uma atitude muito limitada. Um executivo da Intel escreveu: “medo nunca motiva a performance de pico, apenas uma performance mínima”. Com certeza, eu tenho visto isto até agora  - muitas vezes companhias acabam empegando a disciplina quando ocorrem acidentes repetidos (com atitudes onde falta uma visão sobre os “perpetradores” e assim adotando uma técnica de suspensão ou advertência). Eu nunca vi dar certo a mentalidade de culpar o trabalhador na criação e manutenção de um alto nível de performance em segurança – principalmente em problemas repetitivos.

Punição deve ser o último e não o primeiro recurso. Culpar de imediato trabalhadores e colocar uma lista de disciplinamento podem geralmente alimentar uma investigação de segurança superficial ou talvez resultar uma visão distorcida de que os trabalhadores estão aí mesmo para causar problemas de propósito. Verdadeiros líderes procuram focar no que eles podem fazer de forma diferente, onde eles podem assumir o controle para criar resultados superiores. Líderes fracos tendem a culpar e tentar forçar outros a mudar – ou seja, uma proposta de quem está perdendo.

Existe mais, claro. Estamos apenas arranhando a superfície do problema. Bons líderes procuram disciplinar a si próprios para ir além de uma simples resposta emocional ao problema.

 

Robert Pater é Diretor da Strategic Safety Associates (Associados em Segurança Estratégica), escreve em OHS on line.  

Tradução: 

Lido 1054 vezes Última modificação em Terça, 14 Outubro 2014 20:09

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Revista NRFACIL

CSN DEVE PARALISAR ATIVIDADES EM VOLTA REDONDA
O FIM DA IDEOLOGIA NO COMBATE AO TRABALHO ESCRAVO
TRABALHO ESCRAVO: O QUE É PRECISO SABER PARA CORRIGIR AS BOBAGENS QUE SEU AMIGO DIZ NO BOTECO
(NR-12) ALERTAS PARA MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS
MULHERES MORREM ESMAGADAS POR PRENSA
PRÊMIO PROTEÇÃO BRASIL 2017 DIVULGA SEUS GANHADORES
FOI MESMO UM ACIDENTE?
PGT: TERCEIRIZAÇÃO PODE AUMENTAR ACIDENTES DE TRABALHO
CONTROLADOR DE VELOCIDADE VIA GPS PODE REDUZIR ACIDENTES NAS ESTRADAS
PLATAFORMA AÉREA INADEQUADA PODE CAUSAR ACIDENTES
FALTA BOM SENSO E COERÊNCIA (POR VICTOR COSTA)
FISCAIS IDENTIFICAM TRABALHO IRREGULAR NA VILA OLÍMPICA
ROBÔS JÁ SÃO REALIDADE EM AMBIENTES DE TRABALHO NO SUDESTE ASIÁTICO, APONTA OIT
SERÁ QUE A CULPA É NOSSA?
REFERÊNCIA EM SST, OBRA DE RAMAZZINI ESTÁ DISPONÍVEL PARA DOWNLOAD
PROIBIÇÃO DO USO DE CELULAR NOS CANTEIROS REFORÇA A SST
FUNCIONÁRIO DE USINA MORRE ELETROCUTADO EM TRATOR
DICAS PARA ENTREVISTA DE ESTÁGIO OU PRIMEIRO EMPREGO DO TST
OBRAS NA VILA OLÍMPICA SÃO EMBARGADAS E INTERDITADAS POR FALTA DE SEGURANÇA
COMO A CRISE PREJUDICA O PROFISSIONAL DE SST
OBRAS DA RIO-2016 JÁ MATARAM MAIS TRABALHADORES DO QUE EM TODAS AS OBRAS DA COPA DE 2014
APÓS 45 ANOS, ACIDENTE DE TRABALHO QUE MATOU 69 CONTINUA A FAZER VÍTIMAS
SERÁ QUE ACIDENTE DE TRABALHO É ALGO IMPREVISÍVEL?
FUNCIONÁRIO DA PETROBRÁS MORRE AO CAIR EM TANQUE INTERDITADO, DIZ SINDICATO
ROBÔS QUE TRABALHAM LADO A LADO COM OEPÁRIOS CHEGAM A INDÚSTRIA DO PAÍS
AS ESTATÍSTICAS DE ACIDENTES DO TRABALHO NO BRASIL
SOLICITAÇÃO E ENTREGA DE EPIs
PRECONCEITO CONTRA OS TERCEIRIZADOS PODE CAUSAR ACIDENTES DE TRABALHO
ALERTA DE SEGURANÇA DO MÊS DE ABRIL PARA PRÁTICAS DE TRABALHO SEGURO
O QUE FAZER CASO O DONO DA EMPRESA NÃO USE EPI NA ÁREA DE PRODUÇÃO?
COLABORADOR EM GOZO DE FÉRIAS, NO PERÍODO DE INSCRIÇÃO PARA ELEIÇÃO DA CIPA, PODE SE INSCREVER PARA SER MEMBRO?
NO ESPAÇO CONFINADO ALÉM DA NR 33, TEMOS QUE SEGUIR A NR 35 ONDE HÁ O RISCO DE QUEDA A MAIS DE 2M DE ALTURA?
ACIDENTE DE TRAJETO CRESCE, PREJUDICANDO EMPREGADO E PREVIDÊNCIA
AS 10 PROFISSÕES MAIS MORTAIS DOS ESTADOS UNIDOS
ACIDENTE EM ELETRICIDADE
PREJUIZOS E RISCOS EM ARMAZENAGEM FORA DE PADRÕES
AUMENTAM OS ACIDENTES E DIMINUEM OS AUDITORES FISCAIS
PERICULOSIDADE:­ INTERMITENCIA
PROTEÇÃO NO TRABALHO INFORMAL
REVISTA NRFACIL EDIÇÃO ESPECIAL: CONGRESSO MUNDIAL EM SST NA ALEMANHA
O BOM TRABALHO
ENTREVISTA: LAUDOS E PERÍCIAS EM SST
UM NOVO DESAFIO PARA O SESMT: A INTERAÇÃO HOMEM X ROBÔS
UMA ABORDAGEM SOBRE PERÍCIA TRABALHISTA!
EXISTIRIA UMA PROPENSÃO PARA ACIDENTES?
RELATÓRIO DE ATIVIDADES
DURABILIDADE DE EPIS
POLÍCIA E ACIDENTES DE TRABALHO
AVALIAÇÃO DE CABOS DE AÇO
CIPA X DESIGNADOS
STF JULGA FUTURO DO AMIANTO, QUE ESTÁ NA MAIORIA NOS TELHADOS DO PAÍS
A LINGUAGEM QUE ESTÁ NO RÓTULO DO AGROTÓXICO É INACESSÍVEL PARA O AGRICULTOR
'ATENÇÃO, CONTÉM AMIANTO': STF JULGA FUTURO DA POLEMICA FIBRA, COMUM EM TELHADOS NO BRASIL
DESENVOLVER DOENÇA OCUPACIONAL GERA INDENIZAÇÃO, MESMO SE HOUVER CURA
CÂMARA DE SP APROVA BANIMENTO DE 14 AGROTÓXICOS
JULGAMENTO NO STF SOBRE USO DO AMIANTO AMEAÇA TRABALHADOR
ESTRESSE É UM DOS FATORES QUE MAIS CAUSA AFASTAMENTO E FALTA
TRABALHADORES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CONTAM COM GRUPO DE APOIO DO SECONCI-SP PARA DEPENDENTES QUÍMICOS EM SÃO PAULO
REPRESENTANTES DO ESTADO BRASILEIRO ALERTAM PARA TENTATIVAS DE ESVAZIAMENTO DO CONCEITO DE TRABALHO ESCRAVO
PARÁ LIDERA O RANKING REGIONAL DE TRABALHO INFANTIL
PESQUISA MOSTRA COMO A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO DOS JORNALISTAS CAUSA SOFRIMENTO E PRAZER
MPT RECOMENDA QUE VEREADORES NÃO APROVEM USO DO AMIANTO
CUIDADOS ESSENCIAIS PARA QUEM FICA MUITO TEMPO SENTADO
MINISTÉRIO DO TRABALHO RECEBE PROPOSTAS SOBRE EXAME TOXICOLÓGICO EM MOTORISTAS PROFISSIONAIS
COMISSÃO DEBATERÁ PROJETO QUE REGULAMENTA NORMAS SOBRE MEIO AMBIENTE DO TRABALHO
MOTORISTA DE AMBULÂNCIA DEVERÁ RECEBER INSALUBRIDADE
LEI PROÍBE TRABALHO DE GESTANTES EM ATIVIDADES PERIGOSAS
TRANSTORNOS MENTAIS ATINGIRAM MAIS DE 200 MIL PESSOAS NO BRASIL
MTE REGULAMENTA EXPOSIÇÃO AO FUMO
TST: ADICIONAIS DE INSALUBRIDADE E PERICULOSIDADE SE ACUMULAM
PORTARIA DIVULGA LISTA DE SUBSTÂNCIAS CANCERÍGENAS PARA HUMANOS
SUSTENTABILIDADE EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO
DISTÚRBIOS MENTAIS EM TRABALHADORES DE TURNOS ALTERNANTES
ENTENDENDO AS NECESSIDADES DA PRÓXIMA GERAÇÃO DE TRABALHADORES
DOENÇAS NO TRABALHO
PERÍCIA MÉDICA
DISPENSA E REINTEGRAÇÃO
ATESTADOS MÉDICOS
CONFLITO INSS X ASO
ESQUIZOFRENIA É DOENÇA OCUPACIONAL?
RISCOS "VERDES"?
SUPREMO SUSPENDE USO DO AMIANO EM TODO PAÍS
CONFEDERAÇÃO DA INDÚSTRIA DEFENDE PORTARIA SOBRE TRABALHO ESCRAVO
PORTARIA SOBRE TRABALHO ESCRAVO PODE SOFRER ALTERAÇÕES, DIZ TEMER
SENADORA KÁTIA ABREU DETONA A NR-31
MPT E MPF PEDEM REVOGAÇÃO DE PORTARIA
QUEREM SUSTAR A NR-12: VOCÊ VAI DEIXAR?
SUPREMO DECIDIRÁ EFEITOS DA NOVA LEI DE TERCEIRIZAÇÃO EM SÚMILA DO TST
AS PERÍCIAS E OS PERITOS NA ATUALIDADE
GOVERNO DEFENDE SEPARAÇÃO ENTRE PREVIDÊNCIA E SEGURANÇA DO TRABALHO
CONSULTA PÚBLICA: NR REFERENTE ÀS ATIVIDADES DE LIMPEZA URBANA
EMPRESAS PAGARÃO R$1 MI POR FALTA DE SEGURANÇA DO TRABALHO
SENADO FEDERAL REALIZA CONSULTA SOBRE APLICAÇÃO DA NR-12
REFORMA TRABALHISTA PREVÊ NEGOCIAÇÃO DE FÉRIAS E 13º SALÁRIO
MTE DISPONIBILIZA REGISTRO DO SESMT PELA INTERNET
PRORROGADA CONSULTA PÚBLICA PARA NORMA DE PERICULOSIDADE EM ATIVIDADES DE MOTOCICLETA
MTPS DISPONIBILIZA DADOS SOBRE ACIDENTES DO TRABALHO POR CNPJ
RESOLUÇÃO DO CONTRAN PROÍBE USO DE CORDAS PARA AMARRAR CARGAS
REGISTRO DO TÉCNICO DE SEGURANÇA SERÁ FEITO EM CARTÃO
REVOGAÇÃO DA NR-12 PEDE URGÊNCIA E TERÁ DEBATE
CÁLCULO DO FAP SERÁ POR ESTABELECIMENTO
AÉREAS TEMEM ALTA DE CUSTO TRABALHISTA
COMO TRATAR A GARANTIA DE EMPREGO ADQUIRIDA PELOS CIPEIROS?
NR 12 - O ATENDIMENTO À NOVA REDAÇÃO DA NR
ENTENDENDO A NR 20
O EMBARGO E INTERDIÇÃO COMO ATRIBUIÇÃO ESPECÍFICA DO AUDITOR FISCAL DO TRABALHO
NR 16: ANEXO 5 (MOTOCICLETA) APROVADO PELO MTE (13/10/2014)
ELETRICIDADE NA NOVA NR-12
A NOVA NR 34 E A GESTÃO DE RISCOS
(NR-15) RUÍDO E APOSENTADORIA ESPECIAL
O IMPACTO DO ESTRESSE NAS ORGANIZAÇÕES
SECRETÁRIA QUE CRITICOU PORTARIA DO TRABALHO ESCRAVO É EXONERADA
REDUÇÃO DE ACIDENTES É PRIORIDADE DO MTB
MPT E OIT LANÇAM OBSERVATÓRIO DIGITAL DE SST
INCENTIVO DE NOVAS TECNOLOGIAS PARA SEGURANÇA DO TRABALHADOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL
MODERNIZAÇÃO DOS PORTOS IMPACTA NAS CONDIÇÕES DE TRABALHO
AUDITORES-FISCAIS LANÇAM REVISTA CIENTÍFICA SOBRE INSPEÇÃO DO TRABALHO
CONGRESSO ANAMT: MÉDICO DO TRABALHO NAS ORGANIZAÇÕES
MTE ALTERA A AVALIAÇÃO DAS LUVAS CONTRA AGENTES QUÍMICOS
FENATEST QUER A SUSPENSÃO DOS CURSOS TÉCNICOS EM SEGURANÇA DO TRABALHO
TEMER PRETENDE SEPARAR MINISTÉRIO DO TRABALHO E PREVIDÊNCIA SOCIAL EM EVENTUAL GOVERNO
E-SOCIAL: O RAIO-X DA EMPRESA
MINISTÉRIO DO TRABALHO ENCONTRA IRREGULARIDADES NA SAMARCO
DEBATE SOBRE SEGURANÇA NO TRABALHO NAS OLIMPÍADAS
ACUSADO PELA CHACINA, EX-PREFEITO DE UNAÍ VAI A JURI EM BH
PROJETO OBRIGA EMPRESAS A CONTRATAR TSTs
OIT: BRASIL TEM APENAS 1/3 DE AUDITORES DO TRABALHO
XX CONGRESSO MUNDIAL DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO