ENTENDENDO AS NECESSIDADES DA PRÓXIMA GERAÇÃO DE TRABALHADORES

Sábado, 19 Abril 2014 17:26
Avalie este item
(0 votos)

ENTENDENDO AS NECESSIDADES DA PRÓXIMA GERAÇÃO DE TRABALHADORES

 

images

 

 O estudo dos fatores populacionais na sociedade como um todo tem contribuido para entender o comportamento e as necessidades da população dos trabalhadores, principalmente aqueles relacionados ao EPI. Com uma grande maioria de trabalhadores atingindo a idade de 60 anos ou mais, novas necessidades surgem para a proteção no trabalho.

O artigo abaixo, escrito por uma especialista em marketing industrial e traduzido para o Blog NRFACIL pelo Prof. Samuel Gueiros, discorre sobre como deve ser a ênfase no desenho de EPI para trabalhadores de idades diferentes e assim ajudar a responder às necessidades dessa população em termos de equipamentos de proteção, principalmente a proteção de mãos. Trata-se de artigo de interesse dos profissionais do SESMT (NR-4) responsáveis pela implantação e fiscalização dos equipamentos de segurança dentro das empresas.

Este post foi publicado aqui em Dezembro de 2012 e agora revisado e republicado pela sua relevância. Nos próximos posts vamos publicar aqueles mais lidos de 2013. 

As necessidades desses trabalhadores variam por
idade bem como por preferências pessoais

Quando se considera a próxima geração de trabalhadores pensa-se em um tipo jovem que deve ser relativamente novo no mercado de trabalho.

Entretanto, de acordo com o Centro de Envelhecimento e Trabalho no Boston College, a próxima geração de trabalhadores provavelmente irá combinar trabalhadores jovens e trabalhadores idosos devido ao fato de que 4 de cada 5 trabalhadores nascidos nas décadas de 50 e 60 planeja continuar trabalhando após a idade de aposentadoria – seja porque eles querem trabalhar ou porque eles precisam de um ganho extra.

De acordo com o Ministério do Trabalho nos Estados Unidos, cerca de 40 milhões de pessoas irão entrar no mercado de trabalho, 25 milhões irão deixar e 109 milhões permanecerão até depois da próxima década. A força de trabalho será composta por um número crescente de trabalhadores em idade menor do que 25 e maior do que 45, com um declínio no número de trabalhadores na meia-idade. Essa combinação de trabalhadores jovens e idosos obrigará às empresas a desenvolver equipamentos de proteção que atendam às necessidades de trabalhadores de acordo com a sua idade.

images-2

PROTEÇÃO DE MÃOS


Trabalhadores estão produzindo mais do que nunca. Estatísticas registram um aumento de 16% em 2010 mais do que na década anterior, mesmo com a Recessão e o fato de que algumas indústrias manufatureiras praticamente desapareceram. Quando as estatísticas combinam-se com o brusca queda no emprego, os números mostram que a produtividade na indústrias de manufatura subiu 74% entre 2000 e 2010. Com a expectativa de que a produtividade continue a subir, trabalhadores de todas as idades estarão aptos a pegar esses empregos, de forma a mais rápida, precisa e segura quanto possível. Sua performance depende, em parte, em ter as luvas certas e o nível apropriado de proteção para seu trabalho.

A proteção e confiança estão intimamente relacionados à produtividade, com as empresas incorrendo em custos maiores – e perdas significativas – quando os trabalhadores sofrem lesões. Mesmo pequenos ferimentos irá obrigar os trabalhadores deixarem a linha de trabalho e procurar os serviços de primeiros socorros. Empresas que protegem adequadamente os trabalhadores de corte, queimaduras, ferimentos e outros tipos de lesões, diminuem seus custos de indenização e despesas médicas. Eles ainda aumentam a confiança e produtividade dos trabalhadores.

 images (2)CONFORTO

Pesquisas confirmam que os trabalhadores acreditam que o conforto é tão importante quanto a qualidade da proteção de seus equipamentos. Fabricantes de luvas deverão desenhar produtos que proporcionem o melhor nível de proteção contra cortes ou agentes químicos. Entretanto, se as luvas falham para assegurar suficiente nível de conforto, os trabalhadores irão recusar o seu uso por longos períodos. Os trabalhadores geralmente removem as luvas ou fazem ajustes (tipo cortar os “dedos” ou os pulsos das luvas) quando esses produtos se mostram desconfortáveis ou restringem seus movimentos. Eles tambem tentam substituir por outros produtos que tragam conforto.  Uma grande companhia química descobriu que os empregados geralmente trazem suas luvas para o trabalho porque eles sentem que as luvas da empresas não promovem suficiente conforto. Trabalhadores as vezes escolhem uma luva popular que está geralmente disponível em pontos de venda de acessórios diversos. O produto é reconhecido pelo seu conforto e estilo, tornando-o mais atraente. O problema é que essas luvas podem não oferecer a resistência química necessária, o que pode resultar em lesão.

Diversos fatores afetam o conforto e performance do trabalhador, incluindo destreza, capacidade tátil e aderência. Caraterísticas que aumentem a destreza permitem as mãos e dedos uma mobilidade mais solta e aumentam a sensação de toque nas pontas dos dedos. Luvas que promovem destreza e sensibilidade tátil são especialmente benéficas para os trabalhadores que precisam manusear peças pequenas nas operações de montagem e empacotamento.

Aderência é um fator de conforto porque os trabalhadores precisam aplicar mais força se as luvas não permitem que eles segurem os objetos de forma segura. Essa força adicional resulta em câimbras e fadiga e podem causar lesões por esforço repetitivo, como síndrome do túnel do carpo e tendinite.


220px-Gray424.svgDESIGN ERGONÔMICO

Vários estudos indicam que luvas desenhadas de forma egonômica podem ajudar a reduzir lesões por esforço repetitivo e desordens musculoesqueléticas, especialmente em trabalhadores idosos. Trabalhadores acostumados a um design ergonômico em equipamentos esportivos construídos de forma a facilitar a transpiração e utilizando materiais leves, precisam dessas mesmas características em sua proteção de mãos. Luvas devem ser adaptadas à forma da mão e permitir suporte necessário para tarefas específicas. Elas precisam tambem se ajustar de forma adequada, porque luvas muito pequenas podem restringir os movimentos e o fluxo sanguíneo levando a câimbra, fadiga e suor excessivo. De outra forma, luvas muito grandes e pesadas podem interferir nos movimentos das mãos, podem ser capturadas por equipamentos ou ainda cairem das mãos. Uma adaptação apropriada pode beneficiar trabalhadores que sofrem de artrite.

APARÊNCIA
Trabalhadores podem comparar suas luvas de trabalho com equipamentos esportivos nos quais a aparência é fundamental. Eles podem exigir que as luvas sejam mais adaptáveis, com cores vivas, marcas, padrões e texturas.

A cor é importante, com os trabalhadores expressando preferências definidas. Em pesquisas conduzidas entre homens e mulheres em 22 países para determinar suas prioridades de cor, o azul foi a escolha principal, sendo que o verde foi a segunda favorita e as mulheres escolheram o roxo como a segunda na preferência.

RESPOSTA DE FABRICANTES DE LUVAS
As indústrias de manufatura  constantemente se empenham em identificar as necessidades dos trabalhadores e suas expectativas dentro dos ambientes de trabalho. Para algumas indústrias isto significa estabelecer locais de observação de indivíduos no trabalho em ambientes diferentes e em seguida obter um “feedback” dos riscos que eles enfrentam, suas preferências e os desafios dentro do trabalho.

Este foco nas necessidades dos trabalhadores tem resultado no uso de fibras para aumentar a funcionalidade e conforto das luvas no trabalho. Algumas dessas luvas se mostram ultra leves e oferecem uma grande resistencia e proteção contra cortes. Eles tambem permitem que elas possam eliminar o suor e promover destreza e capacidade tátil, similar a que eles estivessem trabalhando sem nada.

Avanços na tecnologia de malhas permitiram às indústrias em conseguir variar a densidade e a tensão das fibras em áreas onde os trabalhadores precisam de mais espaço como como as articulações e a região posterior da mão.

Costuras diversas libera tensão em zonas de alto stress e promovem um ajuste mais ergonômico, o que reduz a fadiga das mãos e a probabilidade de lesão por esforço repetitivo. Técnicas de design que ajustam a forma de luvas visando o contorno dos dedos e mãos, promovem ajuste natural e grande conforto.

Engenharia de revestimento e de superfícies enrugadas na palma da mão e dedos, aumentam a capacidade de aderência e aumentam a sensibilidade dos dedos e evitam a queda de partes que o trabalhador esteja manuseando.

RESUMO
Assim como atletas se beneficiam de aparelhos esportivos que os fazem correr mais rápiido e pular mais alto, trabalhadores podem se beneficiar de luvas de trabalho que aumentem sua confiança e performance. A próxima geração de trabalhadores, não importa a sua idade, irá exigir luvas que possam promover excelência na proteção e conforto excepcional.

Trabalhadores irão continuar buscando luvas que não apenas ofereçam adaptação, mas tambem uma aparência atraente e estilosa. As indústrias irão responder a essas demandas com luvas finas, funcionalidade superior e conforto suficiente. Esses produtos irão proteger contra um largo espectro de risco e deverão incorporar cores e desenhos que aumentem o seu apelo visual.

Tradução:
Prof. Samuel Gueiros, Med Trab
Coord NRFACIL 

Lido 1803 vezes

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Revista NRFACIL

O FIM DA IDEOLOGIA NO COMBATE AO TRABALHO ESCRAVO
TRABALHO ESCRAVO: O QUE É PRECISO SABER PARA CORRIGIR AS BOBAGENS QUE SEU AMIGO DIZ NO BOTECO
(NR-12) ALERTAS PARA MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS
MULHERES MORREM ESMAGADAS POR PRENSA
PRÊMIO PROTEÇÃO BRASIL 2017 DIVULGA SEUS GANHADORES
FOI MESMO UM ACIDENTE?
PGT: TERCEIRIZAÇÃO PODE AUMENTAR ACIDENTES DE TRABALHO
CONTROLADOR DE VELOCIDADE VIA GPS PODE REDUZIR ACIDENTES NAS ESTRADAS
PLATAFORMA AÉREA INADEQUADA PODE CAUSAR ACIDENTES
FALTA BOM SENSO E COERÊNCIA (POR VICTOR COSTA)
FISCAIS IDENTIFICAM TRABALHO IRREGULAR NA VILA OLÍMPICA
ROBÔS JÁ SÃO REALIDADE EM AMBIENTES DE TRABALHO NO SUDESTE ASIÁTICO, APONTA OIT
SERÁ QUE A CULPA É NOSSA?
REFERÊNCIA EM SST, OBRA DE RAMAZZINI ESTÁ DISPONÍVEL PARA DOWNLOAD
PROIBIÇÃO DO USO DE CELULAR NOS CANTEIROS REFORÇA A SST
FUNCIONÁRIO DE USINA MORRE ELETROCUTADO EM TRATOR
DICAS PARA ENTREVISTA DE ESTÁGIO OU PRIMEIRO EMPREGO DO TST
OBRAS NA VILA OLÍMPICA SÃO EMBARGADAS E INTERDITADAS POR FALTA DE SEGURANÇA
COMO A CRISE PREJUDICA O PROFISSIONAL DE SST
OBRAS DA RIO-2016 JÁ MATARAM MAIS TRABALHADORES DO QUE EM TODAS AS OBRAS DA COPA DE 2014
APÓS 45 ANOS, ACIDENTE DE TRABALHO QUE MATOU 69 CONTINUA A FAZER VÍTIMAS
SERÁ QUE ACIDENTE DE TRABALHO É ALGO IMPREVISÍVEL?
FUNCIONÁRIO DA PETROBRÁS MORRE AO CAIR EM TANQUE INTERDITADO, DIZ SINDICATO
ROBÔS QUE TRABALHAM LADO A LADO COM OEPÁRIOS CHEGAM A INDÚSTRIA DO PAÍS
AS ESTATÍSTICAS DE ACIDENTES DO TRABALHO NO BRASIL
SOLICITAÇÃO E ENTREGA DE EPIs
PRECONCEITO CONTRA OS TERCEIRIZADOS PODE CAUSAR ACIDENTES DE TRABALHO
ALERTA DE SEGURANÇA DO MÊS DE ABRIL PARA PRÁTICAS DE TRABALHO SEGURO
O QUE FAZER CASO O DONO DA EMPRESA NÃO USE EPI NA ÁREA DE PRODUÇÃO?
COLABORADOR EM GOZO DE FÉRIAS, NO PERÍODO DE INSCRIÇÃO PARA ELEIÇÃO DA CIPA, PODE SE INSCREVER PARA SER MEMBRO?
NO ESPAÇO CONFINADO ALÉM DA NR 33, TEMOS QUE SEGUIR A NR 35 ONDE HÁ O RISCO DE QUEDA A MAIS DE 2M DE ALTURA?
ACIDENTE DE TRAJETO CRESCE, PREJUDICANDO EMPREGADO E PREVIDÊNCIA
AS 10 PROFISSÕES MAIS MORTAIS DOS ESTADOS UNIDOS
ACIDENTE EM ELETRICIDADE
PREJUIZOS E RISCOS EM ARMAZENAGEM FORA DE PADRÕES
AUMENTAM OS ACIDENTES E DIMINUEM OS AUDITORES FISCAIS
PERICULOSIDADE:­ INTERMITENCIA
PROTEÇÃO NO TRABALHO INFORMAL
REVISTA NRFACIL EDIÇÃO ESPECIAL: CONGRESSO MUNDIAL EM SST NA ALEMANHA
O BOM TRABALHO
ENTREVISTA: LAUDOS E PERÍCIAS EM SST
UM NOVO DESAFIO PARA O SESMT: A INTERAÇÃO HOMEM X ROBÔS
UMA ABORDAGEM SOBRE PERÍCIA TRABALHISTA!
EXISTIRIA UMA PROPENSÃO PARA ACIDENTES?
RELATÓRIO DE ATIVIDADES
DURABILIDADE DE EPIS
POLÍCIA E ACIDENTES DE TRABALHO
AVALIAÇÃO DE CABOS DE AÇO
CIPA X DESIGNADOS
STF JULGA FUTURO DO AMIANTO, QUE ESTÁ NA MAIORIA NOS TELHADOS DO PAÍS
A LINGUAGEM QUE ESTÁ NO RÓTULO DO AGROTÓXICO É INACESSÍVEL PARA O AGRICULTOR
'ATENÇÃO, CONTÉM AMIANTO': STF JULGA FUTURO DA POLEMICA FIBRA, COMUM EM TELHADOS NO BRASIL
DESENVOLVER DOENÇA OCUPACIONAL GERA INDENIZAÇÃO, MESMO SE HOUVER CURA
CÂMARA DE SP APROVA BANIMENTO DE 14 AGROTÓXICOS
JULGAMENTO NO STF SOBRE USO DO AMIANTO AMEAÇA TRABALHADOR
ESTRESSE É UM DOS FATORES QUE MAIS CAUSA AFASTAMENTO E FALTA
TRABALHADORES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CONTAM COM GRUPO DE APOIO DO SECONCI-SP PARA DEPENDENTES QUÍMICOS EM SÃO PAULO
REPRESENTANTES DO ESTADO BRASILEIRO ALERTAM PARA TENTATIVAS DE ESVAZIAMENTO DO CONCEITO DE TRABALHO ESCRAVO
PARÁ LIDERA O RANKING REGIONAL DE TRABALHO INFANTIL
PESQUISA MOSTRA COMO A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO DOS JORNALISTAS CAUSA SOFRIMENTO E PRAZER
MPT RECOMENDA QUE VEREADORES NÃO APROVEM USO DO AMIANTO
CUIDADOS ESSENCIAIS PARA QUEM FICA MUITO TEMPO SENTADO
MINISTÉRIO DO TRABALHO RECEBE PROPOSTAS SOBRE EXAME TOXICOLÓGICO EM MOTORISTAS PROFISSIONAIS
COMISSÃO DEBATERÁ PROJETO QUE REGULAMENTA NORMAS SOBRE MEIO AMBIENTE DO TRABALHO
MOTORISTA DE AMBULÂNCIA DEVERÁ RECEBER INSALUBRIDADE
LEI PROÍBE TRABALHO DE GESTANTES EM ATIVIDADES PERIGOSAS
TRANSTORNOS MENTAIS ATINGIRAM MAIS DE 200 MIL PESSOAS NO BRASIL
MTE REGULAMENTA EXPOSIÇÃO AO FUMO
TST: ADICIONAIS DE INSALUBRIDADE E PERICULOSIDADE SE ACUMULAM
PORTARIA DIVULGA LISTA DE SUBSTÂNCIAS CANCERÍGENAS PARA HUMANOS
SUSTENTABILIDADE EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO
DISTÚRBIOS MENTAIS EM TRABALHADORES DE TURNOS ALTERNANTES
ENTENDENDO AS NECESSIDADES DA PRÓXIMA GERAÇÃO DE TRABALHADORES
DOENÇAS NO TRABALHO
PERÍCIA MÉDICA
DISPENSA E REINTEGRAÇÃO
ATESTADOS MÉDICOS
CONFLITO INSS X ASO
ESQUIZOFRENIA É DOENÇA OCUPACIONAL?
RISCOS "VERDES"?
CONFEDERAÇÃO DA INDÚSTRIA DEFENDE PORTARIA SOBRE TRABALHO ESCRAVO
PORTARIA SOBRE TRABALHO ESCRAVO PODE SOFRER ALTERAÇÕES, DIZ TEMER
SENADORA KÁTIA ABREU DETONA A NR-31
MPT E MPF PEDEM REVOGAÇÃO DE PORTARIA
QUEREM SUSTAR A NR-12: VOCÊ VAI DEIXAR?
SUPREMO DECIDIRÁ EFEITOS DA NOVA LEI DE TERCEIRIZAÇÃO EM SÚMILA DO TST
AS PERÍCIAS E OS PERITOS NA ATUALIDADE
GOVERNO DEFENDE SEPARAÇÃO ENTRE PREVIDÊNCIA E SEGURANÇA DO TRABALHO
CONSULTA PÚBLICA: NR REFERENTE ÀS ATIVIDADES DE LIMPEZA URBANA
EMPRESAS PAGARÃO R$1 MI POR FALTA DE SEGURANÇA DO TRABALHO
SENADO FEDERAL REALIZA CONSULTA SOBRE APLICAÇÃO DA NR-12
REFORMA TRABALHISTA PREVÊ NEGOCIAÇÃO DE FÉRIAS E 13º SALÁRIO
MTE DISPONIBILIZA REGISTRO DO SESMT PELA INTERNET
PRORROGADA CONSULTA PÚBLICA PARA NORMA DE PERICULOSIDADE EM ATIVIDADES DE MOTOCICLETA
MTPS DISPONIBILIZA DADOS SOBRE ACIDENTES DO TRABALHO POR CNPJ
RESOLUÇÃO DO CONTRAN PROÍBE USO DE CORDAS PARA AMARRAR CARGAS
REGISTRO DO TÉCNICO DE SEGURANÇA SERÁ FEITO EM CARTÃO
REVOGAÇÃO DA NR-12 PEDE URGÊNCIA E TERÁ DEBATE
CÁLCULO DO FAP SERÁ POR ESTABELECIMENTO
AÉREAS TEMEM ALTA DE CUSTO TRABALHISTA
COMO TRATAR A GARANTIA DE EMPREGO ADQUIRIDA PELOS CIPEIROS?
NR 12 - O ATENDIMENTO À NOVA REDAÇÃO DA NR
ENTENDENDO A NR 20
O EMBARGO E INTERDIÇÃO COMO ATRIBUIÇÃO ESPECÍFICA DO AUDITOR FISCAL DO TRABALHO
NR 16: ANEXO 5 (MOTOCICLETA) APROVADO PELO MTE (13/10/2014)
ELETRICIDADE NA NOVA NR-12
A NOVA NR 34 E A GESTÃO DE RISCOS
(NR-15) RUÍDO E APOSENTADORIA ESPECIAL
SECRETÁRIA QUE CRITICOU PORTARIA DO TRABALHO ESCRAVO É EXONERADA
REDUÇÃO DE ACIDENTES É PRIORIDADE DO MTB
MPT E OIT LANÇAM OBSERVATÓRIO DIGITAL DE SST
INCENTIVO DE NOVAS TECNOLOGIAS PARA SEGURANÇA DO TRABALHADOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL
MODERNIZAÇÃO DOS PORTOS IMPACTA NAS CONDIÇÕES DE TRABALHO
AUDITORES-FISCAIS LANÇAM REVISTA CIENTÍFICA SOBRE INSPEÇÃO DO TRABALHO
CONGRESSO ANAMT: MÉDICO DO TRABALHO NAS ORGANIZAÇÕES
MTE ALTERA A AVALIAÇÃO DAS LUVAS CONTRA AGENTES QUÍMICOS
FENATEST QUER A SUSPENSÃO DOS CURSOS TÉCNICOS EM SEGURANÇA DO TRABALHO
TEMER PRETENDE SEPARAR MINISTÉRIO DO TRABALHO E PREVIDÊNCIA SOCIAL EM EVENTUAL GOVERNO
E-SOCIAL: O RAIO-X DA EMPRESA
MINISTÉRIO DO TRABALHO ENCONTRA IRREGULARIDADES NA SAMARCO
DEBATE SOBRE SEGURANÇA NO TRABALHO NAS OLIMPÍADAS
ACUSADO PELA CHACINA, EX-PREFEITO DE UNAÍ VAI A JURI EM BH
PROJETO OBRIGA EMPRESAS A CONTRATAR TSTs
OIT: BRASIL TEM APENAS 1/3 DE AUDITORES DO TRABALHO
XX CONGRESSO MUNDIAL DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO