Postagem Anterior:   Próxima Postagem:

NOVA NR-35 (TRABALHO EM ALTURA) NO FORMATO DIGITAL

nr-35

NR-35 NO FORMATO DIGITAL NRFACIL

Veja abaixo a nova NR-35, com o texto completo, já digitalizado no site www.nrfacil.com.br. A nova NR já está disponível para todos os usuários no site e no software. No site, utilize o Remissivo, como na figura acima, selecione e clique no item. Apenas o texto da seleção aparecerá em uma tela do site.  No software, clique na ferramenta ATUALIZAÇÃO e espere o seu aplicativo entrar em contato com o nosso Banco de Dados para o download da nova NR de forma imediata, em poucos segundos, a exemplo de programas antivírus.

O sistema de busca de NRs através do Remissivo, exclusiva do sistema NRFACIL, patenteado no Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI) oferece aos usuários uma forma rápida de acesso e consulta às NRs, contribuindo para otimizar a Gestão do Tempo em SST (veja post anterior).

O exemplo da NR-35 é a maior evidência da importância do acesso digital da legislação em SST, visto que em menos de 12 horas, a equipe do NRFACIL digitalizou e disponibilizou toda a NR no site e software. Aproveite agora para baixar e adquirir o seu NRFACIL.

NR-35
TITULO TRABALHO EM ALTURA
RESUMO estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura, envolvendo o planejamento, a organização e a execução, de forma a garantir a segurança e a saúde dos
envolvidos direta ou indiretamente com esta atividade.
IMPOSIÇÕES elaboração de análise de risco e permissão para trabalho em altura, capacitação e treinamento bem como procedimentos de resgate (respostas a emergência).
INFRAÇÕES Ementas não publicadas

NR-35 – TRABALHO EM ALTURA
ITEM TEXTO COD / INF
35.1 – OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO
35.1.1 Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura, envolvendo o planejamento, a organização e a execução, de forma a garantir a segurança e a saúde dos trabalhadores envolvidos direta ou indiretamente com esta atividade.
35.1.2 Considera-se trabalho em altura toda atividade executada acima de 2,00 m (dois metros) do nível inferior, onde haja risco de queda.
35.1.3 Esta norma se complementa com as normas técnicas oficiais estabelecidas pelos Órgãos competentes e, na ausência ou omissão dessas, com as normas internacionais aplicáveis.
35.2. Responsabilidades
35.2.1 Cabe ao empregador:
a) garantir a implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma;
b) assegurar a realização da Análise de Risco – AR e, quando aplicável, a emissão da Permissão de Trabalho – PT;
c) desenvolver procedimento operacional para as atividades rotineiras de trabalho em altura;
d) assegurar a realização de avaliação prévia das condições no local do trabalho em altura, pelo estudo, planejamento e implementação das ações e das medidas complementares de segurança aplicáveis;
e) adotar as providências necessárias para acompanhar o cumprimento das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma pelas empresas contratadas;
f) garantir aos trabalhadores informações atualizadas sobre os riscos e as medidas de controle;
g) garantir que qualquer trabalho em altura só se inicie depois de adotadas as medidas de proteção definidas nesta Norma;
h) assegurar a suspensão dos trabalhos em altura quando verificar situação ou condição de risco não prevista, cuja eliminação ou neutralização imediata não seja possível;
i) estabelecer uma sistemática de autorização dos trabalhadores para trabalho em altura;
j) assegurar que todo trabalho em altura seja realizado sob supervisão, cuja forma será definida pela análise de riscos de acordo com as peculiaridades da atividade;
k) assegurar a organização e o arquivamento da documentação prevista nesta Norma.
35.2.2 Cabe aos trabalhadores:
a) cumprir as disposições legais e regulamentares sobre trabalho em altura, inclusive os procedimentos expedidos pelo empregador;
b) colaborar com o empregador na implementação das disposições contidas nesta Norma;
c) interromper suas atividades exercendo o direito de recusa, sempre que constatarem evidências de riscos graves e iminentes para sua segurança e saúde ou a de outras pessoas, comunicando imediatamente o fato a seu superior hierárquico, que diligenciará as medidas cabíveis;
d) zelar pela sua segurança e saúde e a de outras pessoas que possam ser afetadas por suas ações ou omissões no trabalho.
35.3. Capacitação e Treinamento
35.3.1 O empregador deve promover programa para capacitação dos trabalhadores à realização de trabalho em altura.
35.3.2 Considera-se trabalhador capacitado para trabalho em altura aquele que foi submetido e aprovado em treinamento, teórico e prático, com carga horária mínima de oito horas, cujo conteúdo programático deve, no mínimo, incluir:
a) normas e regulamentos aplicáveis ao trabalho em altura;
b) análise de risco e condições impeditivas;
c) riscos potenciais inerentes ao trabalho em altura e medidas de prevenção e controle;
d) sistemas, equipamentos e procedimentos de proteção coletiva;
e) equipamentos de Proteção Individual para trabalho em altura: seleção, inspeção, conservação e limitação de uso;
f) acidentes típicos em trabalhos em altura;
g) condutas em situações de emergência, incluindo noções de técnicas de resgate e de primeiros socorros.
35.3.3 O empregador deve realizar treinamento periódico bienal e sempre que ocorrer quaisquer das seguintes situações:
a) mudança nos procedimentos, condições ou operações de trabalho;
b) evento que indique a necessidade de novo treinamento;
c) retorno de afastamento ao trabalho por período superior a noventa dias;
d) mudança de empresa.
35.3.3.1 O treinamento periódico bienal deve ter carga horária mínima de oito horas, conforme conteúdo programático definido pelo empregador.
35.3.3.2 Nos casos previstos nas alíneas “a”, “b”, “c” e “d”, a carga horária e o conteúdo programático devem atender a situação que o motivou.
35.3.4 Os treinamentos inicial, periódico e eventual para trabalho em altura podem ser ministrados em conjunto com outros treinamentos da empresa.
35.3.5 A capacitação deve ser realizada preferencialmente durante o horário normal de trabalho.
35.3.5.1 O tempo despendido na capacitação deve ser computado como tempo de trabalho efetivo.
35.3.6 O treinamento deve ser ministrado por instrutores com comprovada proficiência no assunto, sob a responsabilidade de profissional qualificado em segurança no trabalho.
35.3.7 Ao término do treinamento deve ser emitido certificado contendo o nome do trabalhador, conteúdo programático, carga horária, data, local de realização do treinamento, nome e qualificação dos instrutores e assinatura do responsável.
35.3.7.1 O certificado deve ser entregue ao trabalhador e uma cópia arquivada na empresa.
35.3.8 A capacitação deve ser consignada no registro do empregado.
35.4. Planejamento, Organização e Execução
35.4.1 Todo trabalho em altura deve ser planejado, organizado e executado por trabalhador capacitado e autorizado.
35.4.1.1 Considera-se trabalhador autorizado para trabalho em altura aquele capacitado, cujo estado de saúde foi avaliado, tendo sido considerado apto para executar essa atividade e que possua anuência formal da empresa.
35.4.1.2 Cabe ao empregador avaliar o estado de saúde dos trabalhadores que exercem atividades em altura, garantindo que:
a) os exames e a sistemática de avaliação sejam partes integrantes do Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional – PCMSO, devendo estar nele consignados;
b) a avaliação seja efetuada periodicamente, considerando os riscos envolvidos em cada situação;
c) seja realizado exame médico voltado às patologias que poderão originar mal súbito e queda de altura, considerando também os fatores psicossociais;
35.4.1.2.1 A aptidão para trabalho em altura deve ser consignada no atestado de saúde ocupacional do trabalhador.
35.4.1.3 A empresa deve manter cadastro atualizado que permita conhecer a abrangência da autorização de cada trabalhador para trabalho em altura.
35.4.2 No planejamento do trabalho devem ser adotadas, de acordo com a seguinte hierarquia:
a) medidas para evitar o trabalho em altura, sempre que existir meio alternativo de execução;
b) medidas que eliminem o risco de queda dos trabalhadores, na impossibilidade de execução do trabalho de outra forma;
c) medidas que minimizem as consequências da queda, quando o risco de queda não puder ser eliminado.
35.4.3 Todo trabalho em altura deve ser realizado sob supervisão, cuja forma será definida pela análise de risco de acordo com as peculiaridades da atividade.
35.4.4 A execução do serviço deve considerar as influências externas que possam alterar as condições do local de trabalho já previstas na análise de risco.
35.4.5 Todo trabalho em altura deve ser precedido de Análise de Risco.
35.4.5.1 A Análise de Risco deve, além dos riscos inerentes ao trabalho em altura, considerar:
a) o local em que os serviços serão executados e seu entorno;
b) o isolamento e a sinalização no entorno da área de trabalho;
c) o estabelecimento dos sistemas e pontos de ancoragem;
d) as condições meteorológicas adversas;
e) a seleção, inspeção, forma de utilização e limitação de uso dos sistemas de proteção coletiva e individual, atendendo às normas técnicas vigentes, às orientações dos fabricantes e aos princípios da redução do impacto e dos fatores de queda;
f) o risco de queda de materiais e ferramentas;
g) os trabalhos simultâneos que apresentem riscos específicos;
h) o atendimento aos requisitos de segurança e saúde contidos nas demais normas regulamentadoras;
i) os riscos adicionais;
j) as condições impeditivas;
k) as situações de emergência e o planejamento do resgate e primeiros socorros, de forma a reduzir o tempo da suspensão inerte do trabalhador;
l) a necessidade de sistema de comunicação;
m) a forma de supervisão.
35.4.6 Para atividades rotineiras de trabalho em altura a análise de risco pode estar contemplada no respectivo procedimento operacional.
35.4.6.1 Os procedimentos operacionais para as atividades rotineiras de trabalho em altura devem conter, no mínimo:
a) as diretrizes e requisitos da tarefa;
b) as orientações administrativas;
c) o detalhamento da tarefa;
d) as medidas de controle dos riscos características à rotina; e)as condições impeditivas;
e) as condições impeditivas;
f) os sistemas de proteção coletiva e individual necessários;
g) as competências e responsabilidades.
35.4.7 As atividades de trabalho em altura não rotineiras devem ser previamente autorizadas mediante Permissão de Trabalho.
35.4.7.1 Para as atividades não rotineiras as medidas de controle devem ser evidenciadas na Análise de Risco e na Permissão de Trabalho.
35.4.8 A Permissão de Trabalho deve ser emitida, aprovada pelo responsável pela autorização da permissão, disponibilizada no local de execução da atividade e, ao final, encerrada e arquivada de forma a permitir sua rastreabilidade.
35.4.8.1 A Permissão de Trabalho deve conter:
a) os requisitos mínimos a serem atendidos para a execução dos trabalhos;
b) as disposições e medidas estabelecidas na Análise de Risco;
c) a relação de todos os envolvidos e suas autorizações.
35.4.8.2 A Permissão de Trabalho deve ter validade limitada à duração da atividade, restrita ao turno de trabalho, podendo ser revalidada pelo responsável pela aprovação nas situações em que não ocorram mudanças nas condições estabelecidas ou na equipe de trabalho.
35.5. Equipamentos de Proteção Individual, Acessórios e Sistemas de Ancoragem
35.5.1 Os Equipamentos de Proteção Individual – EPI, acessórios e sistemas de ancoragem devem ser especificados e selecionados considerando-se a sua eficiência, o conforto, a carga aplicada aos mesmos e o respectivo fator de segurança, em caso de eventual queda.
35.5.1.1 Na seleção dos EPI devem ser considerados, além dos riscos a que o trabalhador está exposto, os riscos adicionais.
35.5.2 Na aquisição e periodicamente devem ser efetuadas inspeções dos EPI, acessórios e sistemas de ancoragem, destinados à proteção de queda de altura, recusando-se os que apresentem defeitos ou deformações
35.5.2.1 Antes do início dos trabalhos deve ser efetuada inspeção rotineira de todos os EPI, acessórios e sistemas de ancoragem.
35.5.2.2 Deve ser registrado o resultado das inspeções:
a) na aquisição;
b) periódicas e rotineiras quando os EPI, acessórios e sistemas de ancoragem forem recusado.
35.5.2.3 Os EPI, acessórios e sistemas de ancoragem que apresentarem defeitos, degradação, deformações ou sofrerem impactos de queda devem ser inutilizados e descartados, exceto quando sua restauração for prevista em normas técnicas nacionais ou, na sua ausência, normas internacionais.
35.5.3 O cinto de segurança deve ser do tipo paraquedista e dotado de dispositivo para conexão em sistema de ancoragem.
35.5.3.1 O sistema de ancoragem deve ser estabelecido pela Análise de Risco.
35.5.3.2 O trabalhador deve permanecer conectado ao sistema de ancoragem durante todo o período de exposição ao risco de queda
35.5.3.3 O talabarte e o dispositivo trava-quedas devem estar fixados acima do nível da cintura do trabalhador, ajustados de modo a restringir a altura de queda e assegurar que, em caso de ocorrência, minimize as chances do trabalhador colidir com estrutura inferior.
35.5.3.4 É obrigatório o uso de absorvedor de energia nas seguintes situações:
a) fator de queda for maior que 1;
b) comprimento do talabarte for maior que 0,9m.
35.5.4 Quanto ao ponto de ancoragem, devem ser tomadas as seguintes providências:
a) ser selecionado por profissional legalmente habilitado;
b) ter resistência para suportar a carga máxima aplicável;
c) ser inspecionado quanto à integridade antes da sua utilização.
35.6. Emergência e Salvamento
35.6.1 O empregador deve disponibilizar equipe para respostas em caso de emergências para trabalho em altura.
35.6.1.1 A equipe pode ser própria, externa ou composta pelos próprios trabalhadores que executam o trabalho em altura, em função das características das atividades.
35.6.2 O empregador deve assegurar que a equipe possua os recursos necessários para as respostas a emergências.
35.6.3 As ações de respostas às emergências que envolvam o trabalho em altura devem constar do plano de emergência da empresa.
35.6.4 As pessoas responsáveis pela execução das medidas de salvamento devem estar capacitadas a executar o resgate, prestar primeiros socorros e possuir aptidão física e mental compatível com a atividade a desempenhar.
Glossário
Absorvedor de energia: dispositivo destinado a reduzir o impacto transmitido ao corpo do trabalhador e sistema de segurança durante a contenção da queda.
Análise de Risco – AR: avaliação dos riscos potenciais, suas causas, consequências e medidas de controle.
Atividades rotineiras: atividades habituais, independente da freqüência, que fazem parte do processo de trabalho da empresa.
Cinto de segurança tipo para quedista Equipamento de Proteção Individual utilizado para trabalhos em altura onde haja risco de queda, constituído de sustentação na parte inferior do peitoral, acima dos ombros e envolto nas coxas.
Condições impeditivas: situações que impedem a realização ou continuidade do serviço que possam colocar em risco a saúde ou a integridade física do trabalhador.
Fator de queda: razão entre a distância que o trabalhador percorreria na queda e o comprimento do equipamento que irá detê- lo.
Influências Externas: variáveis que devem ser consideradas na definição e seleção das medidas de proteção, para segurança das pessoas, cujo controle não é possível implementar de forma antecipada.
Permissão de Trabalho PT: documento escrito contendo conjunto de medidas de controle visando o desenvolvimento de trabalho seguro, além de medidas de emergência e resgate.
Ponto de ancoragem: ponto destinado a suportar carga de pessoas para a conexão de dispositivos de segurança, tais como cordas, cabos de aço, trava-queda e talabartes.
Profissional
legalmente habilitado:
trabalhador previamente qualificado e com registro no competente conselho de classe.
Riscos adicionais: todos os demais grupos ou fatores de risco, além dos existentes no trabalho em altura, específicos de cada ambiente ou atividade que, direta ou indiretamente, possam afetar a segurança e a saúde no trabalho.
Sistemas de ancoragem: componentes definitivos ou temporários, dimensionados para suportar impactos de queda, aos quais o trabalhador possa conectar seu Equipamento de Proteção Individual, diretamente ou através de outro dispositivo, de modo a que permaneça conectado em caso de perda de equilíbrio, desfalecimento ou queda.
Suspensão inerte: situação em que um trabalhador permanece suspenso pelo sistema de segurança, até o momento do socorro.
Talabarte: dispositivo de conexão de um sistema de segurança, regulável ou não, para sustentar, posicionar e/ou limitar a movimentação do trabalhador.
Trabalhador qualificado: trabalhador que comprove conclusão de curso específico para sua atividade em instituição reconhecida pelo sistema oficial de ensino.
Trava-queda: dispositivo de segurança para proteção do usuário contra quedas em operações com movimentação vertical ou horizontal, quando conectado com cinturão de segurança para proteção contra quedas.

Veja o que foi publicado neste blog sobre a NR do Trabalho em Altura (antes considerada como NR-36, mas agora definitivamente é a NR-35): Abaixo do link um resumo do post já publicado (textos de responsabilidade do Prof. Samuel Gueiros, Coord NRFACIL).

Leia no final de cada post os comentários dos leitores, alguns totalmente discordantes dos textos publicados no Blog.

http://www.nrfacil.com.br/blog/?p=2914

As evidências permitem supor que a idéia de uma nova NR para o problema do trabalho em altura parece ser mais uma formalidade para desviar a atenção dos acidentes em expansão na construção civil bem como para dissimular as falhas estruturais do Ministério do Trabalho na fiscalização de todas as NRs.

Para o Governo, é fácil editar leis, e assim comandar o “efeito manada” tripartite – todos concordam com mais novas regras, levando à suposição de que um novo porvir mais seguro virá com a NR- 35.

http://www.nrfacil.com.br/blog/?p=3255

A outra conclusão inevitável é que, no caso da nova NR-35 gerou-se uma grande expectativa, como se as novas regras sobre trabalho em altura viessem com disposições inovadoras e que a sua publicação estivesse plenamente justificada. Mas o que se vê, é a simples repetição de regras genéricas ou maquiadas sob o adjetivo de “trabalho em altura”, numa redação que caberia simplesmente em um Anexo. Qualquer profissional de bom senso e experiente constata que não há nada de novo nessas novas regras, em relação a NRs anteriores, que tenham o condão de evitar mais acidentes  no trabalho em altura.

http://www.nrfacil.com.br/blog/?p=3280

nova NR-35, sem nenhuma novidade. O resto é um glossário com mais repetição do mesmo, com definições de EPIs e de termos que já estão em outras NRs ou que já estão incorporados no jargão da segurança e saúde no trabalho em qualquer atividade há muitos anos.

A Equipe:

Samuel Gueiros, Med Trab, Coord NRFACIL

Ana Gabriela, Advogada, Gestão do Site
Cleidival Fernandes, Webdesigner
Laurison Silva, Tecnólogo Info, NRFACIL Software Designer
Jean Carlos, TST, Consultor Técnico
Adson P Melo, Tec Info, Gestão Operacional
Amanda Lima, Bióloga, Aux Administrativo
Samuel V G Pessoa, Aux Info

Participe!
Seus comentários poderão ser importantes para outros participantes interessados no mesmo tema. Todos os comentários serão bem-vindos, mas reservamo-nos o direito de excluir eventuais mensagens com linguagem inadequada ou ofensiva, bem como conteúdo meramente comercial. 9 comentários

9 comentários

  1. Sérgio Ramos da Silva mar 28th 2012

    Bom Dia!!

    Já que é pra somar não ficou claro da obrigatoriedade do talabarte duplo previsto na NR-18

  2. Amaro Walter da Silva mar 28th 2012

    Concordo quando o Professor diz que é “chover no molhado”, quando se edita uma NR que bem poderia estar como anexo na NR-18. Mas, e sempre tem um “mas”, a NR-35 cria mais uma obrigação complicada. Veja-se que, no glossário, a definição de Profissional legalmente habilitado é aquele que comprove registro no competente “Conselho de classe”. Mais uma vez o problema surge, pois o TST não tem registro em conselho de classe, uma vez que se recusam ao registro no sistema CONFEA, alegando estarem esperando a criação do seu próprio conselho de classe. Ao mesmo tempo, o MTE não define a criação desse órgão, criando a situação de contravenção, quando o TST supervisionar o treinamento de capacitação para trabalho em altura. Em nenhum lugar dos subitens da NR é citado o “Trabalhador Legalmente habilitado”. Só se chega à conclusão que é o TST, porque o glossário define que o “Trabalhador legalmente habilitado” é o “Profissional prèviamente qualificado” e o ” prèviamente qualificado” é o profissional formado por instituição de ensino reconhecida pelo sistema oficial de ensino”. Ou então, se a interpretação não for esta, a NR já tem que ser revista, pois já dá margem à interpretação errônea…

  3. Edevaldo mar 28th 2012

    Como fica a 01 necessidade( e/ou obrigatório ) de exames complementares , deve seguir consenso da Associação de Medicina do trabalho ? 02 Como fica a responsabilidade penal dos envolvidos ? 03 ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE MEDICINA DO TRABALHO- ANAMT -SUGESTÃO DE CONDUTA MÉDICO ADMINISTRATIVA-SCMA N0 01/2004Exames complementares para trabalhadores em trabalho em altura(trabalho vertical, work of height).EMENTA:1 O trabalhador em altura deve ser submetido a cuidadoso exameclínico (anamnese e exame físico) voltado às patologias que poderão originar mal súbito e queda de altura.2 Nenhum exame complementar, apesar de útil e muitas vezes indispensável, inclusive EEG, ECG, eritrograma e glicemia de jejum,substituem o exame clínico.

  4. Como sera feita a capacitação nossa TST?
    Quem vai realizar este Treinamento?

  5. samuel tst. abr 4th 2012

    Por mais que essa Nr sobre trabalho em altura seja boa, mais cadê a fiscalização que não faz sua parte.Deveriam incluir nessa nova Nr um adicional para trabalhadores que trabalha em altura, e não ficar só esperando o sindicato brigar por isso.

  6. A NR 35 foi trocada pela NR 36 que chegou até ir para consulta publica? aguardo resposta Rodrigues

  7. De fato, em toda a Internet anunciou-se que a 35 seria a de Gestão e 36 a de Altura. Como o Trabalho em Altura foi publicado antes, seguiu a numeração e ficou com o número 35 mesmo. Provavelmente a de Gestão será a 36.

  8. antecipada,sem certicaçao para empresa,sem fiscalizaçao para atividade laboral já é uma otima teoria…

  9. Sergio Marcelo jul 21st 2012

    Para que uma nova NR? se não tem fiscalização em segurança do trabalho, sera sempre somente um norma não cumprida pelas empresas que não são fiscalizadas, esta Nr deveria ser somente um anexo e não uma Nr que causa varias duvidas.


Deixe uma resposta


9 + = dezesseis